Pular para o conteúdo principal

Movimento antivacina é criminoso, afirma Drauzio Varella

Médico diz que a
pseudociência e teorias da
conspiração ganharam espaço

O crescente movimento antivacina que se verifica em vários países, incluindo o Brasil, é criminoso, porque acaba elevando a taxa de mortandade. A afirmação é do médico Drauzio Varella, 77. (foto)

Ele explica que o aumento da expectativa de vida no último século se deve sobretudo às vacinas.

"As vacinas foram o maior avanço da história da medicina."

"Quando eu era menino, cresci num bairro operário de São Paulo, havia as chamadas doenças da infância — era como um tributo que se tinha que pagar para chegar à adolescência", diz.
"Quando surgiram as vacinas, houve uma queda abrupta não só das doenças, mas da mortalidade infantil. A mortalidade infantil caiu muito. No Brasil, lá pelos anos 1950, chegava a mais de 100 crianças mortas para cada mil habitantes. Praticamente 10% das crianças morriam até os primeiros cinco anos de vida."

De acordo com o IBGE, essas mortes foram 14 para cada mil nascidos em 2016.

Para combater o movimento antivacina, Varella defende, entre outras coisas, maior comunicação dos médicos com a população.

"Os médicos acham tão absurdo isso que até se negam a discutir esses assuntos. E é mau isso”, diz.

Afirma que “há muitas pessoas, algumas das quais por motivos ideológicos, outras com má intenção mesmo, dão explicações bem simplificadas contra as vacinas, que até parecem ter certa lógica para quem não entende nada de medicina”.

É o resultado, segundo ele, é que acaba havendo maior espaço para pseudociência e teorias da conspiração de que médicos estão mancomunados com a indústria farmacêutica.







Quem se opuser às vacinas deve responder por crime, diz Varella

Drauzio Varella afirma nunca ter visto cura com força do pensamento

Drauzio Varella vira patrono de canais de divulgação científica no Youtube

Drauzio Varella ironiza o ‘fervor religioso’ à medicina chinesa

É desonesto dizer que terapias estranhas evitam cirurgia, afirma Drauzio Varella

Maior desafio da ciência é decifrar o cérebro, escreve Varella

Governo gastou com pseudociência R$ 17,2 bilhões só em 2018



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

Emerson Santos disse…
Infelizmente esse foi um dos males que a internet trouxe ... os imbecis e idiotas e mal intencionados tiveram acesso a uma grande parte da população que infelizmente eh como o artigo diz ignorante em medicina ... Com isso .. terminou-se facilitando a divulgação dessas loucuras anti-vacina. Mas não só o governo ou médicos.. mas a mídia principalmente deve se empenhar em colocar esses anti-vacina no lugar deles .. de pessoas sem noção ou criminosas.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Marceneiro exigia obediência bíblica de filhas para estuprá-las

Moças afirmam que o pai usava a Bíblia para persuadi-las Duas jovens — uma de 16 anos e outra de 18 — de Cariacica (ES) acusam o seu pai, um marceneiro, de abusar sexualmente delas com o argumento de que a Bíblia exige dos filhos obediência aos pais, que é uma lei de Deus. Vários trechos bíblicos se referem a essa obediência, como em Colossenses 3:20: “Vós, filhos, obedecei em tudo a vossos pais, porque isto é agradável ao Senhor". Cariacica tem mais de 340 mil habitantes e fica a 15 km de Vitória. A mulher do marceneiro o denunciou à polícia, e ele negou a violência. Mas as jovens relataram em detalhes os abusos que vinham ocorrendo havia seis meses. Inicialmente, uma não sabia que a outra era vítima de igual violência. Os relatos das jovens são parecidos entre si. O estupro se dava na casa deles, no segundo andar, geralmente após o marceneiro lembrar que a Bíblia diz que os filhos têm de fazer tudo que os pais mandam. A mãe ficou sabendo da violência no sábado, dia 1

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao