Movimento antivacina é criminoso, afirma Drauzio Varella

Médico diz que a
pseudociência e teorias da
conspiração ganharam espaço

O crescente movimento antivacina que se verifica em vários países, incluindo o Brasil, é criminoso, porque acaba elevando a taxa de mortandade. A afirmação é do médico Drauzio Varella, 77. (foto)

Ele explica que o aumento da expectativa de vida no último século se deve sobretudo às vacinas.

"As vacinas foram o maior avanço da história da medicina."

"Quando eu era menino, cresci num bairro operário de São Paulo, havia as chamadas doenças da infância — era como um tributo que se tinha que pagar para chegar à adolescência", diz.
"Quando surgiram as vacinas, houve uma queda abrupta não só das doenças, mas da mortalidade infantil. A mortalidade infantil caiu muito. No Brasil, lá pelos anos 1950, chegava a mais de 100 crianças mortas para cada mil habitantes. Praticamente 10% das crianças morriam até os primeiros cinco anos de vida."

De acordo com o IBGE, essas mortes foram 14 para cada mil nascidos em 2016.

Para combater o movimento antivacina, Varella defende, entre outras coisas, maior comunicação dos médicos com a população.

"Os médicos acham tão absurdo isso que até se negam a discutir esses assuntos. E é mau isso”, diz.

Afirma que “há muitas pessoas, algumas das quais por motivos ideológicos, outras com má intenção mesmo, dão explicações bem simplificadas contra as vacinas, que até parecem ter certa lógica para quem não entende nada de medicina”.

É o resultado, segundo ele, é que acaba havendo maior espaço para pseudociência e teorias da conspiração de que médicos estão mancomunados com a indústria farmacêutica.







Quem se opuser às vacinas deve responder por crime, diz Varella

Drauzio Varella afirma nunca ter visto cura com força do pensamento

Drauzio Varella vira patrono de canais de divulgação científica no Youtube

Drauzio Varella ironiza o ‘fervor religioso’ à medicina chinesa

É desonesto dizer que terapias estranhas evitam cirurgia, afirma Drauzio Varella

Maior desafio da ciência é decifrar o cérebro, escreve Varella

Governo gastou com pseudociência R$ 17,2 bilhões só em 2018



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

Emerson Santos disse…
Infelizmente esse foi um dos males que a internet trouxe ... os imbecis e idiotas e mal intencionados tiveram acesso a uma grande parte da população que infelizmente eh como o artigo diz ignorante em medicina ... Com isso .. terminou-se facilitando a divulgação dessas loucuras anti-vacina. Mas não só o governo ou médicos.. mas a mídia principalmente deve se empenhar em colocar esses anti-vacina no lugar deles .. de pessoas sem noção ou criminosas.