Governo gastou com pseudociência R$ 17,2 bilhões só em 2018

Brasil precisa de
 mais ciência e menos
 truques da magia

O governo brasileiro gastou em 2018 cerca de R$ 17,2 bilhões com práticas e programas pseudocientíficos, com a adoção pelo SUS de tratamentos complementares como bioenergia, constelação familiar, cromoterapia, imposição de mãos e outros embustes.

Feita pelo Conselho Federal de Medicina, tal soma de recursos significa mais de quatro vezes o orçamento de todo o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações.

Não é coincidência a lista das “Práticas Integrativas e Complementares” do SUS ter sido aumentada em uma época em que fala que a Terra é plana e há o surgimento de  movimentos contra a vacinação. Em todo o mundo, forças obscuras resolveram atacar a ciência, embora não haja pessoa que faça campanha contra o uso de aparelhos tecnológicos, como o smartphone.

A SBF (Sociedade Brasileira de Física), em seu site, propõe dar um basta à pseudociência, até porque, entre outras coisas, o SUS não tem recursos para comprar equipamentos de mamografia.

“O uso de dinheiro público para custear tratamentos que não possuem nenhum fundamento científico deveria ao menos ser discutido de forma ampla com as sociedades científicas”, diz a entidade.

Com informação do SBF e de outras fontes.





Nos EUA, CFI processa Walmart por expor homeopatia perto de remédios verdadeiros

Drauzio Varella vira patrono de canais de divulgação científica no Youtube

Universidade de Maringá faz convênio com associação de pseudociência

Adeptos de pseudociências danificam sua racionalidade

Estudo comprova que poder de cura da homeopatia é nulo



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários