Critério para escolha de ministro do STF não pode ser religioso, diz Marco Mello

Mello respondeu ao
presidente, que quer um
 ministro evangélico

O ministro Marco Aurélio Mello (foto), do STF, disse que o Estado brasileiro é laico e o critério para escolha para integrante desta Corte não pode ser religioso.

A afirmação de Mello foi uma resposta ao presidente Jair Bolsonaro, que no dia 31 de maio de 2019 afirmou estar na hora de o Supremo ter um ministro evangélico.

“Não sabemos se alguém [no STF] professa o Evangelho”, disse o ministro.

“Temos católicos e dois judeus (Luiz Fux e Luís Roberto Barroso). Mas o importante é termos juízes que defendam a ordem jurídica e a Constituição.”

Bolsonaro já tinha prometido uma vaga no Supremo ao ministro Sérgio Moro.

Mello brincou: “Não se sabe se ele [Moro] é evangélico, mas quem sabe? Talvez ele se converta agora”.

Moro é católico e possui notório saber jurídico.

Com informação de “O Globo”.




Prefeito tenta cumprir Estado laico, mas pais exigem oração nas escolas

Religião na escola estimula a intolerância, diz antropóloga

Procurador golpeia Estado laico ao recusar pedido de retirada de crucifixo de Câmara

Governo de Estado laico tem de se afastar de toda e qualquer religião, escreve Lafer

Religiosos não suportam a igualdade do Estado laico, escreve Sottomaior



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

Leandro Bueno disse…
O Estado é laico, mas o presidente não, rsrsrs. E quer nomear um puta magistrado e que é evangélico, temos o MARCELO BRETAS, o cara da Lava-Jato no Rio de Janeiro. Excpecional juiz e que poderia dar uma mexida no STF, que anda para muitos um tanto desacreditado e desrespeitado.
Israel disse…
"Moro é católico e possui notório saber jurídico". O conje da conja, que lê biografias e chama o Pres. de Pr. possui notório saber jurídico? Háhá!
Anônimo disse…
Moro errou ao falar "conje". Mas é óbvio que ele conhece a palavra "cônjuge", que inclusive faz parte dos termos jurídicos e o ex-juiz certamente a escreveu em dezenas de sentenças. Somente um imbecil procuraria desmerecer uma pessoa por um único erro de português. E imbecil, hoje em dia, virou sinônimo de petista. Falar "conje" não pode, mas assaltar a Petrobras, sim. O presidiário Lula mal consegue escrever uma cartinha de 15 linhas, mas ele tem notório saber. De roubalheira.
Israel disse…
A língua portuguesa é importantíssima ferramenta para o jurista, seja ela falada ou escrita. "o ex-juiz certamente a escreveu em dezenas de sentenças" Ctrl-C + Ctrl-V, ou corretor ortográfico; já pra língua falada, o Moro não tem esses recursos. Quando ele abre a boca é que percebemos o nível intelectual do Ministro. Ele é um assassino da língua portuguesa, não sabe nem conjugação verbal: https://youtu.be/cehLrZ7_ILY. A classe dos juristas não tem nada melhor pra nos oferecer não?
Anônimo disse…
Israel, achar que se pode escrever um bom texto ou uma sentença bem fundamentada com apenas "Ctrl-C + Ctrl-V" é ignorância. O "copia-e-cola" não substitui as aulas de português, o aprendizado da gramática. O petismo está causando danos na sua capacidade de raciocínio, Israel.
Israel disse…
"O presidiário Lula ...", quem te disse que sou lulista, quem tá falando do Lula aqui? "O petismo está causando danos na sua capacidade de raciocínio..." quem te disse que sou petista? Você, amigo anônimo, julga tão mal quanto nosso Ministro.