Poucos sabiam do apoio formal da Igreja Católica à pena de morte


Documento da
Igreja Católica
aceitava o castigo
extremo em casos
 de delitos graves
[opinião]

Fui surpreendido com a informação de que o papa Francisco alterou o Catecismo da Igreja de modo a tornar “inadmissível” a pena de morte.

Eu e muita gente achávamos que essa já fosse a compreensão da Igreja Católica, mas, eis a verdade, a religião que prega o amor ao próximo admitia, sim, o extermínio deliberado de pessoas.

“Para a tutela do bem comum” e em apoio às autoridades, o Catecismo considerava como legítima a pena de morte em casos delito grave, sem entrar no mérito desse tipo de transgressão.

O papa Francisco alterou o Catecismo de modo a incentivar países como a China, Índia e Japão a desistirem dessa penalidade.

Em vez de acalentar expectativa em relação a países, Francisco deveria, primeiro, convencer uma parcela significativa de seu rebanho que a apoia a pena de morte.

Pois, só um exemplo, os devotos de Nossa Senhora que visitaram em 2017 o santuário de Aparecida são, em sua maioria de 59%, favoráveis ao castigo extremo.

Com informação das agências.


Ateus são o grupo que menos apoia a pena de morte

Por que ateus apoiam menos a pena de morte que religiosos? Três hipóteses

Bispo católico defende pena de morte a gays e lésbicas



Sete países têm lei de pena de morte a ateus, revela relatório

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

  1. Paulo, acompanho seu site há muito tempo, gosto muito, e sei que esse meu comentário não será publicado, mas o direi assim mesmo. Também achei que - ainda que hipocritamente, afinal matou milhões na Inquisição - a Igreja Católica já não admitisse a pena de morte em qualquer caso, também me surpreendeu.
    Mas, ao mesmo tempo, em que há uma movimentação mundial para a abolição da pena de morte para criminosos, há uma onda a favor do aborto indiscriminado; o que ao meu ver, é pena de morte para um inocente. E não é uma visão religiosa, a minha, sou ateu de nascença, é uma visão mesmo biológica, de preservação da vida em si. Ter direitos plenos sobre o próprio corpo? Concordo. Mas e os deveres que acompanham, ou mesmo precedem esse direito? O dever de zelar pelo próprio corpo, de se precaver de uma gravidez indesejada? E de qualquer forma, o feto não é o corpo da mulher, é um outro corpo, temporariamente ali abrigado. Aborto aprovado de forma indiscriminada e executado de maneira leviana, para mim, é sim assassinato, pena de morte para inocentes. Acho contraditório ser contra a pena de morte para um, por exemplo, estuprador, pedófilo, ou para um político que roube da merenda escolar e ser favorável à retirada, ao esfacelamento de um feto.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

-------- Busca neste site