Só ingênuos e mentirosos podem confiar na bondade das crianças

Título original: Vítimas

por Luiz Felipe Pondé para Folha

Não confio em "vítimas". Explico-me, antes que o plantão dos humilhados e ofendidos grite. Claro que existem vítimas no mundo. Brancos que escravizaram negros, negros que comercializaram negros, homens que batem em mulher, mulheres que torturam homens que as amam até destruir neles qualquer resto de dignidade, gays que perseguem pessoas porque são diferentes deles (surpresa?), homofóbicos, crianças espancadas em casa e humilhadas nas escolas por outras crianças, enfim, há vítimas por todos os lados. Não me refiro a este tipo de vítima "óbvia" quando digo que não confio em "vítimas".

No caso das crianças então, eu aconselho a leitura do sensacional "Senhor das Moscas", de William Golding, pra quem afirma que o mundo seria melhor se deixássemos a "criança que existe em nós" ensinar os adultos maus como governar a sociedade. Risadas...

Neste livro, crianças abandonadas ao seu destino num local desconhecido criam uma sociedade cruel, autoritária e injusta, aos moldes do humano, demasiado humano. Somente ingênuos sem cura e mentirosos podem confiar na bondade das crianças.

De certa forma, elas são mais cruéis do que adultos, porque estes respondem de modo mais fácil aos constrangimentos morais baseados na "economia de interesses mútuos" (se você tem algo que me interessa, tendo a ser mais condescendente com você) e na vergonha social (não basta à mulher de Cesar ser honesta, ela deve parecer honesta). Estes são dois pilares essenciais do convívio moral coletivo.

Crianças são mais "livremente" violentas e invejosas. Humilham os mais fracos de modo despudorado, excluem qualquer um que seja "diferente" e gostam de esfregar na cara dos mais pobres tudo o que têm. Chato, não é? Também acho, mas fazer o quê?

Quando digo que não confio em "vitimas", refiro-me àquele personagem que toda família tem pelo menos um.

Você identifica facilmente uma dessas "vítimas" em reuniões de fim de ano ou em festas familiares fazendo o culto de si mesmas. Elas comumente acusam aos outros de "só pensarem em dinheiro" e de serem insensíveis. Normalmente essas "vítimas" não conseguem ganhar dinheiro e vivem graças à ajuda dos outros -claro, os mesmos que "só pensam em dinheiro".

Outro traço é a "sensibilidade aguçada" e uma "outra qualidade de consciência" -esta, então, é o fim da picada. Normalmente, pessoas assim adoram "arte-terapia". O apego à espiritualidade interesseira também é muito comum.

A "sensibilidade aguçada", então, me emociona (risadas). Elas choram com facilidade diante da própria sensibilidade. Aliás, este choro seria uma prova de sua qualidade de consciência maior do que a dos outros, aqueles miseráveis seres endurecidos pela aspereza infernal que acomete os que são obrigados a pegar a vida pelos cabelos e domá-la a cada dia, sem perdão.

Na realidade, estas "vítimas" costumam cobrar dos outros aquilo que elas nunca dão: atenção, cuidado, amor desinteressado, lealdade.

Experimente pedir a uma delas alguma coisa: estarão ocupadíssimas com alguma coisa "superimportante" naquele momento "superimportante" de suas vidas "superimportantes".

Pessoas assim costumam ser muito sensíveis ao sofrimento dos cães e gatos. Choram se virem algum animal sofrendo -mais uma prova de sua superioridade ética (risadas). De novo, antes que o plantão dos humilhados e ofendidos de alguma ONG a favor de piolhos sem lar grite, adoro cães, não tanto gatos. Mas eles também têm "direito" à felicidade, claro.

A chave para o amor aos animais neste tipo de "pessoa sensível" é que amar animais é muito mais fácil. Raramente eles o traem ou o expõem ao ridículo ou o abandonam. Por isso, hoje em dia (uma época dominada pelo marketing de comportamento) é tão comum gente que adora animais e detesta seres humanos. Tem até gente por aí que acha que homens e bichos deveriam ter os mesmos "direitos". Um dia macacos terão direito ao voto?

Enfim, cuidado com quem se acha "vítima" de um mundo insensível e dominado pelo dinheiro. Ela é, provavelmente, a mais insensível e interesseira de todas.





Quem diz não gostar de dinheiro é geralmente uma falsa santidade
outubro de 2010

A ditadura dos ofendidos.      Artigos de Luiz Felipe Pondé.

Comentários

  1. Foda. Simplesmente. Ótimo antídoto contra a hipocrisia e obtusidade acadêmicas.

    Imagino que quem endossa essas posições, na Academia, deve se sentir como os que colaboraram com os nazistas na Segunda Guerra Mundial.

    ResponderExcluir
  2. Acho que eu aparecí em alguma parte desse texto... Eu não tenho bem certeza porque mas
    HA,HA,HA, Adorei essa hitória...

    ResponderExcluir
  3. Não provou muito bem seu argumento. Que crianças são cruéis, isso é fato, por não terem freios morais. Agora, qual a preocupação com a "vítima" descrita no texto? Encontrei apenas uma descrição de seu comportamento, mas nada sobre ser nocivo em potencial. De qualquer forma, MUITO BOM o texto!

    ResponderExcluir
  4. Pelo que li você é uma vítima. Tentando sensibilizar(chamar atenção)os outros como se sua opinião fosse a única verdade absoluta. Misturando crianças, adultos, bichos, dinheiro, comportamento num texto confuso tentando chamar atenção dos outros para suprir sua própria carência.

    ResponderExcluir
  5. Cinco grandes verdades que eu aprendi com o grande "filósofo" Luis Felipe Pondé:

    1 - Dinheiro é bom e todo mundo gosta;

    2 - Homem rico pega mais mulher do que homem pobre;

    3 - Pobre tem inveja de rico;

    4 - É melhor ser rico do que ser pobre;

    5 - Crianças não são tão inocentes quanto parecem.

    Não sei o que seria da minha vida sem essas grandes revelações.

    ResponderExcluir
  6. Ricardo falou tudo, mas aqui mesmo o cara já foi aclamado como 'maior pensador' desses 500 anos de Brasil, pelo visto, pensamos pequeno...

    Wander

    ResponderExcluir
  7. Os textos de Pondé sempre me empolgam. Posso compará-los a um oásis num deserto de hipocrisia. O senso comum veio para ficar e o politicamente correto é algo cansativo e pernicioso. Como nem tudo são flores, a posição do escritor em relação aos animais é lamentável. Sou do tipo que agrada cachorro de rua, que se envolve em confusão para defender os mesmos de pessoas covardes ( o mesmo acontece com crianças e idosos, antes que alguém pense naquela indagação inapropriada e desagradável:"mas você faz o mesmo com gente?" )
    Geralmente quem critica os que ajudam os animais apenas, não fazem absolutamente nada por bichos nem pessoas. Bota hipocrisia nisso! Ainda bem que existem articulistas na FOLHA que pensam como João Pereira Coutinho.

    ResponderExcluir
  8. Nao se discute textos do Luis, ele é gênio, comparado a Schopenhauer, o mesmo nível!

    ResponderExcluir
  9. Putz, que esculhambação...

    ResponderExcluir
  10. 1 - Dinheiro é bom e todo mundo gosta;

    2 - Homem rico pega mais mulher do que homem pobre;

    3 - Pobre tem inveja de rico;

    4 - É melhor ser rico do que ser pobre;

    5 - Crianças não são tão inocentes quanto parecem.

    Isso não é revelação, todo mundo sabe disso tudo, só acontece por causa da nossa contrução social, egoísta, limitada, quase impondo que todos devem ser ricos, se dar bem na vida, "boniotos" ... Que piada.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Então Leandro, foi uma ironia da minha parte, se você não entendeu. Não precisava de sua "explicação"...

    ResponderExcluir
  13. Para mim o texto soa como um grande clichê pseudofilosófico (sim, eu sei que o Pondé tem doutorado em filosofia e tal)... Essas conversinhas anti-politicamente-corretas são tão vazias como o politicamente correto levado ao pé da letra. Ao ler o texto, tive a ligeira impressão de que o autor queria chocar o leitor, de alguma forma. Então, lançou ao vento algumas idéias batidas, como "crianças não são ingênuas, mas cruéis", "pessoas que amam os animais não sei importam com outras pessoas", "os que se fazem de vítimas são os mais insensíveis", etc, etc, etc... Não consegui perceber muita sustentação dos seus argumentos. Enfim, pura balela de filósofo de meia-tigela.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Busca neste site