Pular para o conteúdo principal

'Dilma e Serra tentam enganar os crentes para chegar ao poder'

por André Luís de Oliveira Leite, leitor da Folha

As cenas mais deprimentes que me lembro de ter assistido nesta eleição foi o desespero dos candidatos à Presidência tentando mostrar a sua fé aos crentes.

Ambos são mais ateus que Bakunin, Nietzsche, Einstein, Saramago e Carl Sagan juntos, mas sem 0,0000000001% da inteligência e da integridade deles. Para um ateu "apolítico", um crente é alguém que precisa de ajuda para enxergar a verdade, e nada mais.

O religioso é ser humano carente de conhecimento e cultura que baseia todas as suas necessidades em um amigo invisível para conseguir suportar o sofrimento da realidade da existência na no planeta Terra, drogando-se de esperança crendo em algo que nunca acontecerá.

Os ateus não enganam e não usam a ingenuidade dos crentes para chegar ao poder e ganhar muito dinheiro e admiração. O que Dilma e Serra estão fazendo é uma grande farsa: enganam os crentes do Brasil visando apenas o poder.


Comentários

Everton Maciel disse…
Enganar crente? Imagina quanto esforço!
Anônimo disse…
Há uma distorção nos argumentos acima, semelhante ao de que se servem os religiosos, e certa mistificação em torno da presuntiva imunidade ao erro, por parte dos ateus que supostamente a ninguém enganam...Uma concepção dualista e maniqueísta que todo crente é burro e todo ateu é esperto. E os crentes são enganados porém não os ateus. E se há ateus como Serra e Dilma espertos o bastante para enganarem outros, é porque estão traindo a santidade dos ateus...O raciocínio simplista é mesmo fácil de se autoenganar, mas é óbvio que o ateu de cima não se engana, ele detém aquele que outrora pertenceu aos crentes, nos quais pensa não se inclui,...O MONOPOLIO DA VERDADE.kkkkkkk...sórrindo. Sorrindo a gente aguenta um crente, seja de deus ou ateus.
Anônimo disse…
ATEA DILMA E SERRA Á TOA.

17/10/2010 14:49, Por Redação, com Carta Aberta e ABr
Cristãos começam a reagir ao oportunismo religioso de José Serra. A presença do candidato na missa da festa de São Francisco, em Canindé (CE), no último sábado, pode ter sido um ponto de inflexão. A festa é o grande evento religioso da cidade, onde acontece a maior romaria da América Latina, em homenagem a São Francisco.

José Serra e Tasso Jereissati na missa no Ceará onde passaram por constrangimentos
O infortúnio de Serra começou já ao chegar no local quando foi vaiado do lado de fora por manifestantes pró-Dilma. Na saída, o candidato chegou a ser empurrado em novo conflito e quase caiu.
– Gostaria que a missa não fosse tumultuada com os políticos que aqui chegaram, por favor. Se vieram com outra intenção, peço que saiam assim como entraram. Isso é uma profanação –, advertiu o celebrante, padre Francisco Gonçalves, olhando fixamente para a fileira da frente onde se encontravam Serra, Tasso Jereissati e outros tucanos.
Perto do fim da missa, o frade exibiu um panfleto contra Dilma e foi mais duro ainda, deixando a comitiva tucana atônita:
– Acusam a candidata do PT em nome da igreja. Não é verdade. A plateia aplaudiu. Não está autorizada essa coisa. A igreja não está autorizando essas coisas.
Tucanos ameaçam padre
O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), que acompanhou a missa ao lado de José Serra, se exaltou e afirmou que era um “padre petista” como aquele que estava “causando problemas à Igreja”.
Alguns partidários do tucano também se exaltaram e o padre teve que sair escoltado por seguranças.
Difamação
O panfleto não assinado que circulou na igreja falava em três “grandes motivos para não votar em Dilma”. O texto acusa a candidata de ter se envolvido com as Farc, de ser favorável ao aborto e de envolvimento em casos de corrupção na Casa Civil.
Além deste panfleto apócrifo, 2 milhões e 100 mil outros panfletos contra Dilma Rousseff, com assinatura falsa da CNBB, estavam sendo rodados em uma gráfica em SP, descoberta pelo PT. Os responsáveis pela Pana Editora e Gráfica afirmam que o material foi encomendado pelo bispo Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, da diocese de Guarulhos-SP.
Anônimo disse…
Os dois candidatos me encorajam a desacreditar na sociedade ingnorante na qual vivemos, onde a mentira descarada e usada sem nenhum escrupulo, nenhum dois dois e religioso, eles falam o que opovo quer ouvir. E a massa ignara religiosa ou não e maioria.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Estudante expulsa acusa escola adventista de homofobia

Arianne disse ter pedido outra com chance, mas a escola negou com atualização Arianne Pacheco Rodrigues (foto), 19, está acusando o Instituto Adventista Brasil Central — uma escola interna em Planalmira (GO) — de tê-la expulsada em novembro de 2010 por motivo homofóbico. Marilda Pacheco, a mãe da estudante, está processando a escola com o pedido de indenização de R$ 50 mil por danos morais. A primeira audiência na Justiça ocorreu na semana passada. A jovem contou que a punição foi decidida por uma comissão disciplinar que analisou a troca de cartas entre ela e outra garota, sua namorada na época. Na ata da reunião da comissão consta que a causa da expulsão das duas alunas foi “postura homossexual reincidente”. O pastor  Weslei Zukowski (na foto abaixo), diretor da escola, negou ter havido homofobia e disse que a expulsão ocorreu em consequência de “intimidade sexual” (contato físico), o que, disse, é expressamente proibido pelo regulamento do estabelecimento. Consel