MP suspeita que Universal usa jatinhos para tirar do país dinheiro do dízimo

Um dos aviões de uma
 empresa de táxis aéreos
 ligada à Igreja Universal

Com atualização no dia 4 de junho de 2019

A Iurd (Igreja Universal do Reino de Deus) utilizava aviões da Alliance Jet, empresa do conglomerado controlado por pastores, para tirar ilegalmente do Brasil dinheiro arrecadado com o dízimo e enviá-lo a paraísos fiscais, de acordo com suspeitas do Ministério Público do Estado de São Paulo.

O MP chegou a apresentar a denúncia (acusação formal) à Justiça contra Edir Macedo, fundador da Igreja, e outras nove pessoas por formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

A denúncia não deu em nada.

No Brasil, a Igreja tem cerca de 4.500 templos distribuídos em 1.500 cidades e 8 milhões de fiéis. Parte do dízimo em espécie recolhido nesses templos é colocada em sacolas para ser transportada por aviões particulares, diz o jornal “O Globo”, citando o MP como fonte de informação.

 A Universal obtém por ano dos fiéis cerca de R$ 1,4 bilhão – dinheiro livre de tributação.

Como sede em Sorocaba (SP), a Alliance Jet era uma empresa ligada à Igreja Universal. A partir de 2015, a Igreja começou a se desfazer dessa empresa de táxi aéreo. Ela tinha três aviões que eram usados por bispos da Igreja e também alugados para terceiros.

De acordo com o Ministério Público, a empresa faturava cerca de R$ 500 mil por meses no início da década de 90.

 Informação disponível em 2008 dava conta de que um dos aviões da companhia era o Falcon 2000 EX Easy, que viajava com regularidade para os Estados Unidos e Caribe.

Com casa em Nova Iorque, o próprio Edir Macedo era de seus mais frequentes passageiros.

Em uma ocasião, Macedo resistiu a uma vistoria pela Polícia Federal em seu avião no aeroporto de Cumbica, Guarulhos.

“Eu sou um enviado de Deus e vocês [policiais] estão atrapalhando o meu trabalho”, disse ele irritado, conforme informação que a Veja obteve do delegado da PF Mário Menin Júnior.

Comentários

Deu G1

Universal não consegue liberar os R$ 10 milhões apreendidos há quatro anos

Mais de R$ 10 milhões da Igreja Universal apreendidos há quatro anos pela Polícia Federal seguem até hoje em custódia da Justiça. O valor não foi liberado porque os representantes da igreja não convenceram juízes e tribunais de que a origem do dinheiro é lícita.

O dinheiro foi apreendido em julho de 2005 com o ex-deputado federal João Batista Ramos da Silva. Ele é um dos réus em ação criminal sobre o suposto desvio de doação de fiéis em andamento na Justiça de São Paulo.

Em julho de 2005, o ex-parlamentar tentava embarcar de Brasília para São Paulo em um jatinho particular com R$ 10.202.690, em dinheiro vivo, distribuído em 7 malas. Na época, Silva, que é ex-diretor-presidente da rede Record, era presidente da Igreja Universal.

Não é crime transportar dinheiro vivo, basta explicar a origem do dinheiro. A Igreja afirmou que o dinheiro era fruto de doações de fiéis.

Desde então, a Igreja Universal já fez seis tentativas judiciais para reaver o montante. Em todos os casos, as decisões foram contrárias à restituição. A Justiça entendeu que não ficou comprovada a origem lícita.

A Justiça alega que um dos motivos do bloqueio é que entre o dinheiro apreendido tinha 36 notas de R$ 100 reais, numeradas em sequência.

Por causa das notas em sequência, o juiz Márcio Rached, da vara especializada em lavagem de dinheiro, avaliou: “A moeda posta em circulação dificilmente preserva toda a série sequencial, ainda mais no caso de valor alto".

Além disso, a Igreja afirmou que o dinheiro foi arrecadado em Manaus, Pará e Brasília. Porém, o mesmo juiz disse: “As notas sequenciais foram distribuídas originalmente para uma agência bancaria de Minas Gerais.”

O juiz afirmou ainda que, entre o dinheiro apreendido, havia dois maços de R$ 10 mil, ainda com etiquetas do banco e o carimbo da Igreja Universal.

Uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) diz: “Permitir que o dinheiro volte a circular, sem a certeza de que a origem é legal, seria realimentar a ciranda do crime.”

O advogado Sérgio Pitombo, que defende João Batista e a Igreja Universal nesse processo, disse que entrou com novo recurso para a liberação do dinheiro. Ele reafirmou que todo o dinheiro apreendido foi doado por fiéis e que, portanto, tem origem legal.

A Polícia Federal investiga o caso desde 2007 e disse que, por não ter concluído as investigações, não fará comentários.
Lucio Ferro disse…
Vou abrir uma igreja!!!!! É o melhor negócio do mundo, é só dizer que os otários, digo, fiéis, tem que me dar muita grana senão vão para o inferno!!! Aleluia! Jesus tem poder!! Me dá um dinheiro aí!!!!!!!!!
Vanessa Vazques disse…
Os jatinhos da quadrilha universal, tambem transportam dinheiro da corrupção e do tráfico de drogas da Bolívia.
Onde estão as gravções do ex autodenominado bispo Rodrigues e ex caçique político da gang, com um megatraficante?.
E as verbas públicas para propaganda nas Tvs e rádios da facção, trocadas por apoio político do famigerado partido PR do macedão mão de capêta.
Anônimo disse…
Hummm...Interessante muito Interessante!

Há um provérbio que diz:

Cego é aquele que nãao quer ver

Ministério Público parabéns, já estava mais que na hora de fazer justiça.

Espero que o verdadeiro Deus ilumine a nossa Polícia federal, a nossa Justiça para que possam atuar com coragem e respeito a esse povo que está sendo explorado em nome da libertação espiritual, e da tal Teologia da Prosperidade.

Algns que entram nesta igreja automaticamente pelos seus próprios esforços saem do fundo do poço, e eles atribuem a eles tal Vitória.

Uma minoria melhora e milhares ficam a esperar, e são acusados de que a sua fé, e a quantidade doada ainda não foram suficientes.

Vi de tudo, óleo bento, camisa dando nós do lado do avesso, meias com nó, fogueira santa, bençãos dos não sei quanto pastores, shopping de Deus, pastor em cima de uma mesa cheia de dinheiro, de quatro orando com a biblia aberta, enfim assassinatos como o caso de lucas Terra caso postado no yutube....

Deus? Que Deus? Olhe as mãos do anti cristo, veja o falso profeta...

Dinheiro...Dinheiro...Dinheiro...

Jesus ficou irado pois estavam a comercializar
no templo, se voltou contra aqueles mercadores...

Não é Jesus, Não é Deus que rege Edir Macedo, ele disse que odeia as religiões, então pague imposto já que você não professa religiões. Se vocês que o seguem ainda não acordaram, o tempo mostrará a vocês, pois justiça tarda, mas não falha. Impostos para quem doar e para quem receber.

Porque na calada da noite levam jornais em casas e em faróis?

O que se passa Edir? Quer entrar no Poder maior?

Não deixarei de pedir Justiça em nome daqueles que ficaram sem o alimento na mesa para te fazer bilionário... Pedirei a todos do mundo astral que ajudem a justiça terrena a fazer com que você sofra as consequências...

Justiça meu Deus! Contra esse homem que vem como cordeiro e com sua matilha engole a todos.
Anônimo disse…
Será que o ministério público vai agir mesmo????
O bispo esta usando todas as denúncias feita contra êle em benefíco próprio....Afinal estamos no Brasil... terra da impunidade..
Unknown disse…
TEM QUE CONFISCAR TODOS OS BENS DESSES MERCENÁRIOS.FILHOS DO CAPETA, ISSO É UMA LEGIÃO DE DEMÔNIOS !