Serra dá passaporte diplomático a pastor envolvido na Lava Jato

Concessão do privilégio saiu no Diário Oficial
O ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB-SP), concedeu um passaporte diplomático com validade de três anos ao pastor Samuel Cássio Ferreira, da Assembleia de Deus. 

A concessão do documento foi publicada no do "Diário Oficial da União".

Ferreira está sendo investigado pela Lava Jato porque o templo da igreja em Campinas (SP) teria lavado R$ 250 mil de propina supostamente paga ao deputado e evangélico Eduardo Cunha, atualmente afastado da presidência da Câmara.

Previsto em decreto, o passaporte diplomático identifica o seu portador como “agente do governo” brasileiro.

O documento não concede imunidade diplomática, mas privilegia o seu portador com atendimento preferencial em aeroportos e postos de imigração e isenção de visto em alguns países.

O governo de Dilma concedeu esse tipo de passaporte a pastores como Edir Macedo e R.R. Soares.

Com informação do Diário Oficial.






Comentários


EDITOR DESTE SITE

Paulo Roberto Lopes é jornalista

profissional diplomado. Trabalhou

no jornal centenário abolicionista

Diario Popular, Folha de S.Paulo,

revistas da Editora Abril e

em outras publicações.

Contato