Escola obriga adepto do candomblé a rezar pai-nosso



Embora adepto do candomblé, o estudante Kayque Ferraz, 8, estava sendo obrigado a rezar o pai-nosso na escola todos os dias.

Escolas desafuam
o Estado laico 

A professora pressionava o menino nas vezes em que ele tentava permanecer em silêncio.

Ele dizia ser filho de Xangô, mas a sua crença não era respeitada.

Grazielle, a mãe de Kayque, reclamou com a diretora da escola e teve de ouvir dela que, ali, o pai-nosso era obrigatório.

Não houve jeito: os pais do menino, para livrá-lo da oração cristã e de ser chamado de "macumbeiro" pelos colegas, tiveram de tirá-lo da escola de Duque de Caxias (RJ) e o colocaram em um colégio do Rio.

Em muitas escolas brasileiras, é isto o que ocorre: o ensino da intolerância religiosa.

Envio de correção



Estudante de Curitiba foi vítima do ‘chuta que é macumba’