Com Crivella, prefeitura do Rio de Janeiro deixou de ser laica


Meme mostra que Crivella
participou, sim, do Carnaval
A jornalista Ruth de Aquino escreveu um bem fundamentado artigo sobre a omissão e arrogância do prefeito Marcelo Crivella (PRB) que evitou o Carnaval do Rio, dando, assim, a prevalência ao fato de ser pastor da Igreja Universal.

“A prefeitura carioca está longe de ser laica”, escreveu Aquino na revista Época.

A jornalista argumentou que, pela lógica de um prefeito que não compareceu ao Carnaval, o maior evento do Rio, “policial não é obrigado a proteger, médico não é obrigado a atender, professor não é obrigado a ensinar, aluno não é obrigado a estudar, motorista não é obrigado a saber dirigir, pais e mães não são obrigados a educar, filhos não são obrigados a respeitar.”

Se Crivella preza tanto a sua condição de evangélico, ele não deveria ter se candidato a prefeito de uma cidade carnavalesca.

E como ele, mesmo assim, se candidatou, não deveria ter sido eleito.

Mas Crivella foi eleito, e temos de respeitar a democracia, e há nisso o consolo de saber que o povo merece quem elege.