Ciência fracassa em acabar com crendices, escreve Verissimo



Maioria prefere acreditar em búzios, astrologia...

por Luis Fernando Verissimo

Nem Copérnico nem Galileu conseguiram convencer as pessoas de que a Terra não é o centro do Universo. A ciência fracassou na tarefa de vencer crendices e obscurantismo, que persistem em boa parte da Humanidade. A versão “oficial” da História humana, desde o século 18, é uma história de conquistas da razão secularista, mas esta versão não pegou. A maioria prefere acreditar nos búzios, em astrologia ou na Divina Providência.

A teoria da evolução de Darwin é outra que não convenceu muita gente. Numa enquete recente, mais de 70% dos americanos pesquisados responderam que preferem a explicação bíblica da origem da sua espécie à de Darwin.

Em vários Estados americanos, há leis que obrigam o ensino da versão bíblica junto com a da evolução, que deve ser identificada como apenas uma especulação teórica em contraste com a palavra de Deus.

A influência do fundamentalismo religioso cresce na política e nos costumes dos Estados Unidos – e no Brasil também. E, claro, cresce a radicalização do fundamentalismo islâmico, com influência direta da palavra do deus deles no estado de nervos de todo o mundo.

Alguém já descreveu o que está acontecendo na Terra como a crise terminal dos monoteísmos e do combustível fóssil. Mas enquanto se desenvolvem outras fontes de energia para substituir o combustível fóssil e finalmente começa a haver uma reação da razão ao autoenvenenamento do planeta, a razão não parece ter avançado muito contra o obscurantismo religioso. 

Seja como for, não estamos vivendo a História sensata que os iluministas imaginaram para nós no século 18, e que pensávamos que era a que tinha vencido. Não era.

Íntegra desse texto está no site do Estadão.

Verissimo comenta o poder de uma mera suposição — Deus