Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

sábado, 21 de novembro de 2015

Escola contorna intolerância de alunos evangélicos à cultura

Em 2012, estudantes se recusaram
 a fazer trabalho sobre cultura afro
Os estudantes que se matricularem na Escola Estadual Senador João Bosco, em Manaus (AM), são informados de que terão de participar do projeto interdisciplinar sobre a “Preservação da Identidade Étnico-Cultural Brasileira”, como parte do ensino de história. Depois, eles não poderão alegar que não sabiam disso.

Essa foi a forma que a direção da escola encontrou para contornar a intolerância de alunos evangélicos em relação à história brasileira na parte que diz respeito às influências africanas.

Em 2012, estudantes evangélicos se recusaram a fazer um trabalho sobre cultura afrobrasileira porque, segundo eles, isso seria uma ofensa a sua religião por se tratar de um proselitismo de crenças africanas. O trabalho valia nota.

Alunos do 2º e 3º anos do ensino médio se propuseram na época a fazer uma dissertação sobre as missões evangélicas na África, em vez de tratarem da herança no Brasil da cultura africana. A escola recusou.

Em protesto, os alunos acamparam defronte à escola. Descobriu-se, depois, que havia pastores por detrás da resistência desses alunos ao ensino da história brasileira.

“Foi uma situação difícil”, lembrou a professora de história Raimunda Nonata.

“Sempre tive muito cuidado em trabalhar o assunto com os alunos evangélicos, que em nossa escola são maioria”, afirmou.

Disse que a escola sempre tratou da cultura afrobrasileira e africana nas aulas sobre a escravidão. Lembrou que a partir de 2008 reforçou o tema porque se tornou obrigatório por força de lei.

A professora disse que, agora, a tolerância voltou a reinar na escola.

Todos os alunos são obrigados a participar com trabalhos do projeto da preservação da identidade brasileira.

Contudo, a escola abriu uma concessão: quem se sentir constrangido em fazer uma apresentação pública poderá se dedicar a outras fases do trabalho, como ornamentar a feira cultural.

No ano que se opuseram à escola, os estudantes evangélicos se recusarem a ler alguns clássicos da literatura brasileira, como “Macunaíma” (de Mário de Andrade), “Ubirajara” (José de Alencar) e vários livros de Jorge Amado.

O pretexto dos evangélicos foi de que as obras abordam umbanda, candomblé e homossexualidade.




Professores evangélicos vetam a cultura afro, diz pesquisadora

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...