Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

MP de Angola acusa pastores da Igreja Universal de homicídio

No 'Dia do Fim' 10 pessoas
morreram pisoteadas e
120 ficaram feridas
O Ministério Público de Angola denunciou (acusação formal à Justiça) seis pastores da Igreja Universal por “homicídio voluntário” por considerá-los responsáveis pela morte de dez pessoas no dia 31 de dezembro de 2012, na “Vigília da Virada - Dia do Fim”.

O MP também acusou os pastores de “ofensas corporais” por causa dos feridos, que chegaram a 120

Ao divulgar o evento na época, a Igreja conclamou que todos levassem sua família porque haveria solução para problemas como “doenças, miséria, desemprego, feitiçaria, inveja, separação e dívida”.

Na avaliação do Corpo de Bombeiro, mais de 250 mil pessoas compareceram ao Estádio da Cidadela Desportiva, em Luanda, local da vigília, cuja capacidade máxima é de 70 mil.

Houve um tumulto e dez pessoas (incluindo quatro crianças) morreram por asfixia ou pisoteio.

Como punição, o governo de Angola suspendeu as atividades da igreja por 60 dias.

O Ministério Público argumentou que, se a Universal tivesse se preocupado com a segurança do evento, não haveria a tragédia.

Na época, Ferner Batalha, bispo-adjunto da Universal, admitiu que não esperava o comparecimento de tanta gente. Acrescentou que as autoridades tinham sido informadas sobre o "Dia da Virada".
O Tribunal Provincial de Luanda começou a julgar ontem (13) os pastores.

No “despacho de pronúncia” (aceitação do caso), o Tribunal afirmou que houve, na organização do evento, “erros seguramente evitáveis, caso [os pastores] tivessem acatado as boas práticas”.


Evento foi realizado em estádio de Luanda 

Com informação da imprensa angola e foto de arquivo.





Igreja Universal convence fiel a deixar tratamento contra Aids

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...