quarta-feira, 4 de março de 2015

Universal não diz quem são os inimigos de seus gladiadores

Igreja mistura fé com
 ordem unida dos militares
A apresentação dos “Gladiadores do Altar” da Iurd (Igreja Universal do Reino de Deus), em vídeos de cultos durante os quais eles inesperadamente apareceram uniformizados, marchando e dando continência, foi um desastre, da perspectiva do marketing. 

Em um vídeo, um pastor que parece ser o chefe do pelotão, pergunta aos jovens quais são seus objetivos. A resposta é: “Altar! Altar! Altar!” O que pode significar qualquer coisa, desde proteger os templos a obter conversões de fiéis, passando por prestação de serviços à comunidade.

O site da igreja diz que os gladiadores são o resultado de um projeto cujo objetivo é a “formação de jovens altamente preparados para enfrentar desafios diários de ganhar almas e fazer discípulos”. Mas essa formação precisa ser militar? E que “desafios diários” são esses? Contra quem os gladiadores vão lutar? Quem são seus inimigos? Capetas?

Faltaram explicações, o que significa que a Igreja acabou plantando dúvidas, algumas de teor conspiratório.

A associação entre qualquer tipo de formação militar e a beligerância é automática. Por causa disso, nas redes sociais, tem gente comparando o exército da Universal até ao Estado Islâmico.

Essa comparação é exagero, mas o fato é que os “Gladiadores do Altar” expressam a ideia de confrontamento, uma característica do fanatismo, religioso ou não.

Há motivo para se preocupar com isso? Para o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), sim.

Ele escreveu no Facebook que a sociedade precisa estar atenta para o “monstro” que está saindo da lagoa. E desde já, e não “quando [os gladiadores] começarem a executar os ‘infiéis’ e ateus e empurrar os homossexuais de torres altas como vem fazendo o fundamentalismo islâmico no Oriente Médio?”.

Na avaliação do professor de sociologia Flávio Sofiati, da Universidade Federal de Goiás, o objetivo da Universal, com esse projeto de espetacularização da fé, pode ser o de se destacar na opinião pública, de modo a atrair os mais jovens para seus templos.

Além disso, a “Universal é uma igreja midiática, que sempre realiza diversas atividades para estar em evidência”, conforme ele declarou ao G1.

A Igreja Universal divulgou nota para repudiar “interpretações absurdas” sobre os “Gladiadores" como as de Wyllys.

Disse que os gladiadores são voluntários para desenvolver atividades culturais, sociais e esportivas dentro de programas de resgate e amparo de populações de rua, viciados e jovens carentes.

Acrescentou que eles vão promover campanha do interesse público, como doação de sangue e arrecadação de roupas.

Se os objetivos são esses, nobres, a Universal deveria esclarecê-los antes mesmo da apresentação dos jovens gladiadores. O que não seria difícil a uma igreja que dispõe de uma rede nacional de televisão.

Com informação da Igreja Universal e outras fontes e foto de divulgação.





Pastores de confiança de Macedo têm empresa de segurança
Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...