Paulopes

Religião, ateísmo, ciência e astronomia

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Papa foi imoral ao impor sua crença, diz mãe de Brittany

Debbie defendeu o direito de sua filha
 Brittany de ter morte com dignidade
Debbie Ziegler (na foto à esquerda), mãe da americana Brittany Maynard (foto), que no dia 1º de novembro se submeteu a um suicídio assistido por estar com câncer terminar, criticou duramente o papa Francisco por ter considerado a morte como “repreensível” e “pecado contra Deus”.

“Censurar uma escolha pessoal como repreensível porque ela não vai de acordo com a crença de outra pessoa é imoral”, escreveu Debbie em uma carta que foi divulgada pela ong Compassion & Choices (Compaixão e Escolhas), que luta pelo direito à morte com dignidade.

Brittany tinha 29 anos e sofria de tumor no cérebro. Ela teria, no máximo, seis meses de vida com muito sofrimento.

Na carta, Debbie escreveu que só mesmo quem não conhecia Brittany, quem não conviveu com ela, poderia tê-la como “repreensível”.

Ela afirmou que, como professora, reserva a palavra “repreensível” para os tirânicos e pedófilos.

“A escolha de minha filha por morrer gentilmente em invés de sofrer uma degradação física e mental e dores intensas não merece ser classificada como repreensível por estranhos em um continente distante, que não sabem das particularidades da situação”, afirmou.

Segue a íntegra da carta

Eu sou a mãe de Brittany Maynard. Estou escrevendo em resposta a uma variedade de comentários feitos na imprensa escrita e online por indivíduos e instituições que tentaram impor o seu sistema de crença pessoal sobre o que Brittany e a nossa família consideramos ser uma questão de direitos humanos.

A imposição de uma "crença" em uma questão de direitos humanos está errada. Censurar uma escolha pessoal como repreensível, porque não está em conformidade com a crença de outra pessoa, é imoral. A escolha de minha filha de vinte e nove anos de idade de morrer calmamente em vez de sofrer uma degradação física e mental, além de dor intensa, não merece ser rotulada como repreensível por estranhos que estão a um continente de distância, que não a conhecem ou sabem das particularidades de sua situação.

Repreensível é uma palavra dura. Significa: "muito ruim; que merece censura". Repreensível é uma palavra que usava quando era professora para descrever as ações de Hitler, outros tiranos políticos e a exploração de crianças por pedófilos. Como mãe de Brittany Maynard, acho difícil de acreditar que alguém que a conheceu jamais selecionasse essa palavra para descrever suas ações. Brittany era uma doadora. Ela era uma voluntária. Ela era uma professora. Ela era uma advogada. Ela trabalhou para fazer do mundo um lugar melhor para se viver.

Essa palavra foi usada publicamente em um momento em que a minha família estava ainda sofrendo. De luto. Essa forte crítica pública de pessoas que você não conhece, nunca conheci - é mais do que um tapa na cara. É como nos chutar enquanto lutamos para respirar.

As pessoas e as instituições que sentem ter o direito de julgar as escolhas de Brittany podem me ferir e causar-me uma dor indizível, mas elas não me dissuadem de apoiar a escolha de minha filha. Atualmente, existe grande confusão e arrogância no caminho dos americanos que desejam terminar suas vidas suavemente. Exorto aos americanos a pensar por si mesmos. Deixe claro seus desejos enquanto você ainda tem essa capacidade. Certifique-se de que tenha todas as opções enunciadas se você for diagnosticado uma doença dolorosa, debilitante e incurável. Faça sua própria pesquisa. Peça à sua família para investigar e enfrentar a dura realidade com você. Peça a seu médico para ser brutalmente honesto com você. Então, faça a sua escolha pessoal sobre como você pretende prosseguir. É a SUA escolha.

A "cultura da cura" tem levado a uma crença de conto de fadas de que os médicos podem sempre corrigir nossos problemas. Perdemos de vista a realidade. Toda a vida termina. A morte não é necessariamente o inimigo em todos os casos. Às vezes, uma morte suave é um presente. Médicos equivocados, pegos em uma crença aspiracional de que eles devem prolongar a vida, seja qual for o custo, causam sofrimento desnecessário aos indivíduos e às famílias. Brittany levantou-se contra os "bullies". Ela sempre pensou que ninguém tinha o direito de lhe dizer quanto tempo deveria sofrer. Para o doente terminal, o direito de morrer é uma questão de direitos humanos. Puro e simples.


Debbie Ziegler
Mãe de Brittany

Com informação das agências e foto de divulgação.





Livro de Hitchens é exemplo de como um ateu enfrenta a morte
fevereiro de 2013


Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...