Paulopes

Religião, ateísmo, ciência, etc.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Pastor de cura pela fé tentou a medicina para salvá-lo de câncer

Sherman impediu que
 uma garota se tratasse 
de câncer; ela morreu
Nos idos de 2002, o pastor Ariel Ben Sherman (foto), de Lenoir City, Tennessee (EUA), convenceu Jacqueline Crank a manter a sua filha doente distante dos médicos, porque a cura viria pela fé, dizia ele.

Jessica Crank Lynn, 15, morreu em setembro daquele ano em consequência de um câncer ósseo raro no ombro.

Sherman morreu aos 78 anos no dia 28 de novembro de 2012 vítima de parada cardíaca. Morreu em hospital da Carolina do Sul onde se internara dois meses antes.

O pastor que pregava a cura pela fé, proibindo os fiéis de recorrerem à medicina, estava se tratando em segredo com médicos para tentar se livrar de um câncer, conforme a imprensa descobriu agora.

O caso de Jessica Lynn ficou famoso nos Estados Unidos porque a mãe dela e Sherman tiveram de enfrentar a Justiça por negligência para com a garota.

No dia 6 de maio de 2002, Jacqueline levou a filha a um pronto-socorro porque Jessica se queixava de dor em um  ombro. Os médicos constataram a gravidade do caso e pediram que no mesmo dia ela fosse internada em um hospital. Mas Jacqueline e Jessica sumiram, e os médicos avisaram a polícia.

A polícia só encontrou Jessica e sua mãe no dia 26 de junho em uma casa alugada por Sherman, que se dizia ser “pai espiritual” da garota. Mas já era tarde: o câncer tinha avançado, e não mais havia chance de salvar Jéssica. Seu ombro estava enorme.

O caso foi encaminhado para a Justiça, onde teve longa tramitação. Os autos existiam provas de que Jacqueline, por orientação de pastor, tinha decidido curar a garota com orações, em vez de levá-la a um médico.

Em 2009 um juiz do Supremo Tribunal de Tennessee condenou Sherman e Jacqueline a 11 meses e 29 dias de liberdade condicional. O advogado do pastor criticou a condenação porque, disse, a Constituição estadual garante o direito de usar a fé como cura.

Não se sabe como Jacqueline reagiu à notícia da internação em um hospital do pastor curandeiro. A sorte dela é que arrependimento não mata, pelo menos de repente, como um infarto fulminante. Se é que ela teve arrependimento.

Jacqueline, Shermann e Jessica
Jacqueline, Sherman e Jessica em uma foto de 2002
Com informação do Religion News Blog.





'Cura pela fé' faz pentecostais liderarem mortalidade infantil
setembro de 2011

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...