Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

sábado, 24 de novembro de 2012

Reino Unido discute crueldade do abate religioso de animais

Para judeus e muçulmanos, carne fica
impura se animal for morto atordoado
Entidades protetoras de animais e de veterinários e a Sociedade Nacional Secular colocaram em debate no Reino Unido a crueldade dos abates religiosos que são feitos sem o atordoamento dos animais.

Elas propuseram ao governo que acabe com as isenções fiscais das religiões que insistem em praticar esse tipo de abate.

Judaísmo e o islamismo são as religiões que se opõem à adoção do abate humanitário. Líderes de ambas recorrem a suas respectivas escrituras sagradas para argumentar que os animais têm de serem abatidos conscientes porque, se não for assim, sua carne fica impura, tornando-se imprópria para o consumo.

Os sacerdotes afirmam que adotam técnicas que minimizam o sofrimento do animal no momento de sua morte. Essa justificativa não tem respaldo científico.

Stephen Evans, gerente de campanhas da Sociedade Secular, criticou o governo por permitir que os abatedouros que não atordoam os animais forneçam carne não só para a comunidade religiosa, mas para o mercado em geral. Isso não é “apenas eticamente inaceitável, mas também ilegal”, afirmou.

Evans disse que, já que o governo insiste em manter a isenção fiscal às religiões que sacrificam com dor os animais, ao menos deveria haver uma determinação para que os rótulos da embalagem da carne informem os consumidores sobre esse procedimento.

O que está ocorrendo, disse, é que os consumidores, desavisados, estão subsidiando a indústria de abate religioso, o que “é inaceitável”.

Com informação do site da Sociedade Nacional Secular, entre outras fontes.

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate
junho de 2012

Abate religioso

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...