Pular para o conteúdo principal

Atentados e corte de verba pública colocam as Testemunhas de Jeová em crise

A religião foi alvo de terrorismo na Áustria e Alemanha; Justiça da Noruega considerou legal corte de verba pública


Paulo Lopes
jornalista, trabalhou na Folha de S.Paulo, Agência Folha, Diário Popular, Editora Abril e em outras publicações

As Testemunhas de Jeová da Áustria estão temem serem alvo de bomba quando estiverem reunidas em seus locais de orações — os Salões do Reino. Muitos fiéis estão evitando atividades em grupo.

É que houve um atentado e uma tentativa, e a polícia ainda não efetuou nenhuma prisão. Pelas características da bomba caseira, trata-se de um terrorista solitário, na avaliação da perícia policial.

Não se descarta a possibilidade de haver mais pessoas envolvidas porque há muitas pessoas ressentidas — ex-fiéis, principalmente — com a política de ostracismo àqueles que saem ou são expulsos das congregações.  

No caso de terrorismo mais recente, em 29 de março de 2024, uma pessoa deixou uma bomba empacotada em frente ao Salão do Reino de Kalsdorf, cidade de 3 mil habitantes do Estado da Estíria.

A polícia usou robôs para desarmar a bomba. Se explodisse, ela poderia atingir cerca de 50 pessoas.


Salão do Reino na cidade
de Kalsdorf, perto do qual
foi encontrada bomba
FOTO: REPRODUÇÃO DA IMPRENSA DA ÁUSTRIA

Em 18 de agosto de 2023, em Leibnitz, já tinha havido a explosão de duas bombas em um estacionamento de carros de um salão. Ninguém se feriu.

A distância entre Leibnitz e Kalsdorg é de 23 km.

Em março de 2023, em Hamburgo, Alemanha, uma pessoa atirou contra um grupo de Testemunhas de Jeová, ferindo fiéis e matando 7. A oitava morte foi do atirador que se suicidou. Ele era ex-TJ, segundo a polícia.

A sede da igreja fica em Warwick, Estado de Nova Iorque, EUA. Lá, nove homens que compõem o Corpo Governante lidam com a mais grave crise das Testemunhas de Jeová, desde 1975, quando o mundo não acabou, contrariando a profecia da igreja.

Além dos atentados na Europa, as TJs sofreram uma derrota Noruega que poderá ter impacto em sua contabilidade, se o exemplo for seguido por outros países.

A justiça norueguesa decidiu ser legal a suspensão de verba pública às TJs, pelo fato de a igreja afrontar os direitos humanos, com ostracismo a antigos fiéis.

Soma-se a isso o declínio no número de fiéis, o que, aliás, tem ocorrido na maioria das religiões por não atraírem novos seguidores. Os jovens têm evitado principalmente crenças fundamentalistas, como as TJs.

Parece que desta vez o mundo esteja de fato acabando lentamente, mas só para as TJs e entre outras religiões.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa