Pular para o conteúdo principal

Com o coração batendo, o 'morto aparente' ainda está vivo ou não? Há controversas

Ainda não há consenso na comunidade médica para a definição sobre quando a vida acaba e a morte pode ser decretada 


Jean Luiz N. Abreu 
professor associado do Instituto de História da Universidade Federal de Uberlândia

Comunica
portal de notícias da Universidade de Uberlândia, Minas Gerais

BBC publicou em agosto de 2002 um artigo sobre pessoas que tinham sua morte decretada legalmente, mas que ainda conservavam o coração batendo e outros órgãos do corpo funcionando. 

Esses casos resultaram em uma série de questionamentos por parte de médicos sobre os métodos da medicina para definir o fim da vida e decretar a morte. 

O fenômeno que chama a atenção de cientistas na atualidade tem uma história que remonta aos séculos XVIII e XIX. Trata-se do fenômeno denominado de “morte aparente”, estágio onde o indivíduo ainda conserva sinais de vida, mas que era considerado morto.

No passado, há vários registros de casos de pessoas que eram enterradas com vida, o que serviu para alimentar a literatura sobre os mortos-vivos que se levantavam do caixão após serem sepultados. 

Em vista disso, os médicos no século XIX elaboraram diversas teorias em que procuravam determinar quais seriam os sinais inequívocos da morte, e propor medidas que procuravam afastar o temor de ser enterrado em vida.

Foram decretadas leis que procuravam regulamentar o período mínimo para os sepultamentos, bem como em alguns países, como na Alemanha, foram construídas casas mortuárias para conservar e observar os cadáveres, até que não existissem dúvidas sobre o fim da vida.


Sinais vitais mostram
que o morto ainda
não morreu

Com o desenvolvimento da anatomia patológica, entre fins do século XVIII e início do XIX, a morte passou a ser vista como parte de um processo múltiplo e não como um evento único. 

A partir do exame post-mortem, os médicos observavam que alguns órgãos ainda podiam continuar com sinais vitais, enquanto outros não. Assim, aspectos que antes eram vistos como definitivos para declarar o óbito, como a putrefação, passaram a ser questionados. 

Ainda que, nesse período, a medicina ainda estivesse longe de definir um critério único capaz de determinar o fim da vida, foi a partir de várias experiências que os médicos passaram a desenvolver técnicas que permitiam reanimar os pacientes ou vítimas de acidentes de asfixia, por afogamento ou intoxicação por gases.

Tais aspectos indicam uma preocupação com a preservação da vida humana por parte de médicos. Diversas sociedades filantrópicas, com a participação de leigos, voltadas para salvar vítimas de naufrágios foram criadas em países como Inglaterra e Portugal.

No Brasil, Theodoro Langgaard (1813–1883), médico que veio para país em 1842, dedicou um de seus verbetes do Novo formulário médico e farmacêutico à asfixia, divulgando conselhos da Royal humane society (Real Sociedade Humana) a respeito dos socorros que deviam ser prestados aos afogados, os quais envolviam uma série de procedimentos, alguns que hoje seriam questionados. 

Além da respiração boca a boca, recorria-se a outras formas de reanimação, como o uso de rapé e aplicação de substâncias irritantes ao nariz, toalhas quentes, fricções com flanela na caixa toráxica, soprar com a boca ar nos pulmões, borrifar água e aguardente ou éter na região precordial. 

Além desses métodos que podem ser descritos como “tradicionais”, outros foram sendo incorporados, como as experiências com a eletricidade, para reanimar os corpos de pessoas em risco de morte.

No decorrer do século XX, o desenvolvimento de técnicas de reanimação e de instrumentos, tais como desfibrilador, ventiladores mecânicos e sondas de alimentação, permitiram que pacientes em determinados estágios mórbidos, embora com a perda de determinadas funções do corpo, continuassem a ser mantidos vivos. 

Contudo, a definição da morte ainda é um enigma a ser respondido. Apesar dos avanços da ciência, inúmeros são os casos registrados de pacientes considerados mortos que voltam à vida, Lázaros do século XXI.

Este texto é resultado do projeto “Os debates sobre a morte e os usos do corpo post mortem no Brasil do século XIX”, financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig), a quem o autor agradece o financiamento.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch