Pular para o conteúdo principal

Zumbi é metáfora para o século 21: catástrofe ambiental, migração, lavagem cerebral...

Sucesso na cultura pop, o morto-vivo é a representação das vulnerabilidades das pessoas nos atuais tempos


CÉLIA MAUGNIER
doutora em literatura comparada
Université de Lorraine, França


The Conversation
plataforma de informação
e análise produzida por 
acadêmicos e jornalistas

Poderia o zumbi ser o monstro emblemático do século 21? Alguns pesquisadores notaram um aumento no número de ficções apocalípticas apresentando esses seres feitos de carne podre desde a década de 2000.

Há muito confinado à paraliteratura, o zumbi agora tem um novo público; mais respeitável do que antes, foi escolhido pela BBC que o transformou em série (In the Flesh, 2013), ou por um autor americano coroado com vários prêmios literários, Colson Whitehead (Zone One, 2011).

Os mortos-vivos estão zumbificando a cultura canônica?

É o que sugere o título da obra de Seth Grahame-Smith, Orgulho e Preconceito e Zumbis, uma reescrita paródica do famoso romance de Jane Austen, levada às telas em 2016.

Por fim, o blockbuster Guerra Mundial Z (2013), adaptado do filme best-seller de Max Brooks, com Brad Pitt como herói triunfante, estabeleceu o contágio da cultura popular pelo flagelo zumbi, o que se confirma mais recentemente com a série The Walking Dead, inspirada nos quadrinhos de mesmo nome - já com 11 temporadas de transmissão.

Somos nós

Como explicar tamanho sucesso? Nestes tempos de pandemia, o zumbi lembra-nos o quão vulneráveis ​​somos a um contágio global, que se espalha como um incêndio, provocando reações de pânico e estratégias de sobrevivência mais ou menos eficazes.

O aquecimento global também está a reavivar os receios de um “vírus zumbi” libertado pelo permafrost siberiano, uma ameaça mantida intacta durante milênios, subitamente trazida à luz pelo derretimento do gelo. O zumbi é uma metáfora versátil, que incorpora diversas ansiedades de sua época.

Zumbis, diferenças étnicas e transgressão de fronteiras

Desde suas origens haitianas até hoje, o zumbi mudou de rosto muitas vezes. Originalmente designava as vítimas de feitiços de vodu, que poderiam tanto reviver os mortos quanto destruir a consciência de um ser vivo para torná-lo uma coisa maleável. Como tal, o zumbi é também uma figura de lavagem cerebral, de um homem esvaziado de sua substância espiritual.

No contexto da escravidão norte-americana, tornou-se uma metáfora para o escravo que voltou dos mortos, ou morto entre os vivos, transformado em coisa pelo trabalho exaustivo e desumano nas plantações de algodão. 

Depois, durante a Grande Depressão do final do século XIX (1873-1896), seguida alguns anos depois pela crise de 1929, o zumbi mudou de cor, passando do preto para o branco, para se tornar um símbolo dos trabalhadores brancos precários e empobrecido pela desaceleração da máquina capitalista. Ainda hoje, os zumbis estão ligados à exclusão social e às diferenças étnicas.

A herança étnica do zumbi é encontrada na representação da crise migratória dos países pobres do Sul para os países do Norte. Como tal, as histórias de zombies são uma metáfora ambivalente: serão favoráveis ​​aos migrantes, representados pelos não infectados que fogem do flagelo, com quem os leitores e espectadores encontram empatia? Ou será que, pelo contrário, demonizam a figura do migrante zumbi

Tal como o migrante, o zombi é um “outro” percebido como um perigo, um ser que ameaça invadir-nos e transformar-nos nele mesmo, alterando a nossa identidade (a série britânica In The Flesh mostra bem como os mortos-vivos encarnam medos xenófobos).

O zumbi surge como ondas migratórias, sem que pareça possível interromper seu curso com a ajuda de qualquer muro, mais cedo ou mais tarde atravessado pelos condenados. 

Um dos cartazes espetaculares do blockbuster Guerra Mundial Z mostra uma incrível pilha de ghouls, equilibrados por um milagre da gravidade, tentando alcançar o helicóptero que inclui homens ainda vivos.


A imagem do muro que cede diante da onda de zumbis é atual nas representações do gênero, e só pode evocar outros muros e fronteiras destinadas, em todo o muro, a repelir os indesejáveis. Deste ponto de vista, os mortos-vivos são obviamente políticos, e os investigadores dos estudos culturais anglo-americanos tendem a decifrar o zombie como um objeto cultural revelador de tendências progressistas ou conservadoras.

Zumbis e crise ecológica

Se o zombie reconhece o fracasso das fronteiras em conter os migrantes, também se refere ao fracasso dos seres humanos em conter a crise climática. No livro Guerra Mundial Z, de Max Brooks, os refugiados se deslocam do Sul para o Norte, porque os zumbis estão congelando no extremo Norte; É difícil não pensar nos movimentos migratórios provocados pelo aquecimento global.

Imagem da sexta extinção em massa, a guerra dos zumbis metaforiza nossas preocupações ambientais. Da mesma forma, as cinzas que cobrem a superfície da Terra, visíveis do espaço, devem-se aos corpos de zumbis que são queimados em todo o mundo; mas essa fumaça só pode sugerir poluição. 

Na Zona Um, as cinzas dos zumbis caem sobre os corpos dos heróis como resíduos de um derramamento de óleo (Whitehead, 90). Por último, o zombie como corpo carnívoro também se refere ao nosso consumo de carne, muitas vezes apontado por razões de exploração animal, bem como pelas emissões de CO₂ que isso implica.

Zumbis, exploração e sociedade de consumo

Devorando corpos, os mortos-vivos também são consumidores frenéticos, imagens de nós mesmos diante do último iPhone. 

O zumbi come tudo o que encontra, sem consciência nem discernimento: como tal, pode simbolizar a relação com o mundo induzida pelo capitalismo desenfreado, que nos leva a consumir cada vez mais

Nos filmes de zumbis, desde o clássico de George Romero, A Noite dos Mortos-Vivos (1968), não é raro ver os heróis correndo para as lojas de departamentos para roubar os mantimentos, acompanhados de carrinhos de compras cheios de medo de perder. 

Da mesma forma, os heróis às vezes se refugiam em grandes centros comerciais, pensando que escaparão da ameaça mantendo um estado de sítio. Mas não é trancando-se num supermercado gigantesco que os heróis conseguem escapar, e a sociedade de consumo oferece apenas um refúgio temporário.

O zumbi, vivo e morto, também se refere ao sistema financeiro neoliberal, que, ao mesmo tempo que revela cada vez mais os seus limites, continua a impor as suas regras. A ideia de que estaríamos sujeitos à lei de um sistema moribundo inspirou, sem dúvida, os manifestantes disfarçados de mortos-vivos durante o movimento “Occupy Wall Street”.

Amy Bride mostra como, durante a crise de 2008, um banco insolvente, mas apoiado pelo governo, como o Goldman Sachs durante a crise do subprime, foi referido nos meios de comunicação como um “banco zombie”, pronto para infectar os mercados financeiros (Bride, 2019). 

A crise financeira levou assim a uma clara inflação de termos formados a partir da palavra “zumbi” para designar os erros do neoliberalismo.

Corpo e dentes, os mortos-vivos são metáforas polissêmicas, que remetem aos fluxos migratórios, ao aquecimento global, à especulação financeira ou mesmo à lavagem cerebral. 

Cada vez mais, os zombies estão a tornar-se parte do vocabulário atual no mundo anglo-americano: os nossos homólogos falam de “floresta zombie”, “energia zombie”, ou mesmo “empresas zombie”. "Sem dúvida, a língua francesa deverá ser rapidamente infectada por carniceiros".

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão