Pular para o conteúdo principal

Novos ateus se confrontam: 'seita' de Dawkins de um lado e 'culto trans' de outro

Este artigo foi publicado originalmente com o título e subtítulo 'A traição dos ateus. Por que tantos irmãos racionalistas caíram na armadilha do culto trans'


Brendan O'Neill 
ateu, é escritor, jornalista e editor da revista britânica Spiked, que se define como irreverente e radical

   Estamos vivendo um grande confronto entre a histeria e a razão. De um lado estão os adeptos do culto do transgenerismo, apregoando seu hocus pocus sobre almas com gênero e auto-autenticação por meio da castração. Do outro lado estão aqueles de nós que sabem que a biologia é real, e que cada célula do corpo humano é sexuada, e que um homem tem tanta probabilidade de se tornar uma mulher quanto aquele cálice de vinho se torna o sangue de Cristo durante a missa (desculpas, católicos).

   Você nunca vai adivinhar de que lado alguns novos ateus estão tomando neste confronto entre a ilusão e a verdade. O lado louco. O lado que diz que um cara com barba e bolas pode ser literalmente lésbica. 

   O que é infinitamente mais mal-humorado do que a ideia de que um cara com barba e bolas pode ser literalmente o Filho de Deus. Como os irmãos racionalistas, aqueles secularistas com esteróides, aqueles acólitos de Dawkins cujo hobby durante anos foi zombar dos fiéis, tornaram-se devotos de uma seita tão estranha e pós-verdade?

   Um a um, os ateus estão caindo no altar do trans. No Twitter, o perfil The New Atheists criticou Richard Dawkins por se tornar um TERF (feminista radical transexcludente).

   Dawkins é uma raridade nas novas fileiras racionalistas: ele pensa que as pessoas com pênis são homens, não mulheres, assim como pão é pão, não o corpo de Cristo. Ele está "totalmente confuso", decretaram seus raivosos apóstatas.
O'Neill, autor deste texto,
é acusado pela legião de
seus críticos de ser de
direta. Ele nega
expondo em um
artigo o que pensa

ILUSTRAÇÃO PUBLICADA PELA SPIKED

   A biologia 'não é preto e branco, é um espectro completo de cores como um arco-íris', disseram eles. Essa crença hippie de que os humanos podem escolher seu sexo em uma miscelânea multicolorida é inteiramente um artigo de fé, é claro, não ciência. Eis os vira-casacas do racionalismo.

   Testemunhamos Neil deGrasse Tyson, o cientista mais conhecido da América, curvar-se ao credo do gênero como sentimento. Em um vídeo do TikTok, ele disse que 'os cromossomos XX/XY são insuficientes' quando se trata de ler o sexo de alguém, porque o que as pessoas sentem importa junto com sua biologia.

   Então, alguém pode se sentir principalmente feminino em um dia, mas '80% masculino' no dia seguinte, o que significa que eles vão 'remover a maquiagem' e 'usar uma camisa musculosa'. Senhor, isso é travesti; não faz nada para refutar a verdade dos cromossomos, que nos dizem absolutamente qual é o sexo de uma pessoa. Como a destransicionista Chloe Cole disse a Tyson, você está 'confundindo biologia humana básica com cosméticos'.

   Vimos Matt Dillahunty, um importante ateu americano, promover o grito místico de que há uma diferença entre 'o que são seus cromossomos' e sua 'identidade de gênero'. 'Mulheres trans são mulheres', ele declara piedosamente, talvez ansioso para provar que, embora goste de criticar as velhas religiões, ele não tem uma cruz ou palavra blasfema a dizer sobre a nova religião. Bem, ninguém quer ser excomungado da sociedade educada.


   Stephen Fry é outro amante ímpio da ciência que parece ter se convertido à crença trans. Phillip Pullman, Stewart Lee e outros que já foram ruidosos torcedores do racionalismo também são notavelmente reservados em relação a essa nova ideologia, esse movimento devocional que, entre outras coisas, convida as jovens a se submeterem à mortificação corporal para que possam se transubstanciar em "homens". Parece algo que um racionalista deveria questionar.

   Depois, há Humanists UK. Mesmo a organização livre de Deus mais influente da Grã-Bretanha jogou sua sorte com o Terraplanismo da ideologia pós-sexo. Ele pediu ao governo britânico que não mudasse a definição de sexo na Lei da Igualdade para significar 'sexo biológico'. Por quê? Porque algumas pessoas têm um misterioso gênero interior – alma? – que aparentemente conta mais do que seu sexo biológico quando se trata da questão de quais espaços sociais eles devem ter permissão para entrar.

   Esqueça a biologia, esqueça a ciência; faça sentir rei. Algumas mulheres se demitiram do Humanists UK pelo que consideraram o abandono dos princípios 'compassivos, científicos [e] racionais' em favor da irrealidade da subjetividade de gênero. 

   Testemunhe a traição dos ateus. Os guerreiros do racionalismo de ontem são agora soldados de infantaria do delírio pós-moderno. Os defensores da religião que ganharam destaque nos anos 2000 agora rezam aos deuses da correção de gênero, seja por medo do cancelamento ou porque realmente tiveram uma conversão damascena à ideia de que os sentimentos anulam a realidade; que a verdade científica às vezes deve ficar em segundo plano em relação à nossa lisonja da auto-estima de homens que dizem ser mulheres, mulheres que dizem ser homens e, presumivelmente, meros mortais que afirmam ser Deus. 

   Afinal, se Dave com seu pau e sua sombra de cinco horas pode ser literalmente uma mulher, por que Gary não deveria ser a Segunda Vinda? A subjetividade manda, não?

   A fanfarronice racionalista dos novos ateus era só som e fúria, ao que parece. No minuto em que uma verdadeira luta pela razão explodiu na vida pública, elas deixaram o campo de batalha ou se juntaram ao outro lado, gritando 'mulheres trans são mulheres!' enquanto iam sinalizar sua fidelidade à nova fé. 


   É fácil criticar as velhas religiões, especialmente o cristianismo. Colunas de jornais, convites para festivais literários e salas de conferência cheias de bajuladoras e ímpias classes médias aguardavam aqueles que diziam: 'Jesus andando sobre as águas? Até parece!' 

   As consequências de se desviar da ideologia trans são muito mais severas. As colunas são retiradas, os convites evaporam, as classes médias se reunirão para desprezar, não para torcer. É difícil evitar a conclusão de que alguns ateus públicos valorizam mais suas reputações do que o racionalismo.

   O que torna sua deserção da razão ainda mais irritante é que eles fizeram isso em resposta a uma neo-religião que realmente está prejudicando os jovens. Cristãos fundamentalistas podem tentar converter crianças gays para fora de sua homossexualidade, mas esta nova religião mutila tirá-los disso, transformando jovens lésbicas em 'meninos' e rapazes gays em 'meninas'. 

   Escolas religiosas podem promover histórias malucas de milagres para seus alunos, mas esse novo culto impregna as crianças com crenças muito mais desorientadoras sobre 72 gêneros e garotas e lésbicas com pênis. 

   As velhas religiões desaprovam a blasfêmia, assim como esta nova, com seu tratamento de qualquer "negador" de seus critérios teológicos como um leproso social. Principalmente se o 'negador' for uma mulher: sim, essa religião também odeia mulheres arrogantes. E, no entanto, é nesse momento, com todo esse desdobramento, que alguns racionalistas se afastam do racionalismo. É a covardia moral disfarçada de justiça social.

   Outros vão além de criticar a cumplicidade de alguns novos ateus com a irracionalidade moderna. Eles dizem que esses agitadores ateus são os culpados pela nova loucura. Ao expulsar Deus da sociedade, ao enfraquecer ainda mais a igreja, eles 'criaram um vazio que uma nova e perigosa ideologia [tem] preenchido', diz Tim Stanley no Daily Telegraph. Mate Deus, seja trans. O que significa que mesmo Dawkins, TERF-ish como ele é, é parcialmente culpado pela loucura que ele agora lamenta.


   Eu acho que há algo nisso. Mas o problema não é que os novos ateus tenham criado um 'vazio' que outros se apressaram em preencher. É que eles ajudaram ativamente a promover a própria hiperatomização que sustenta uma ideologia como o transgenerismo. 

   Com sua promoção da crença pós-Deus e pós- humanista de que os seres humanos nada mais são do que máquinas genéticas, feixes de DNA em um mundo impiedoso e sem significado, os novos ateus contribuíram para o grande e trágico afastamento do indivíduo do social em nossa era, mundo em si mesmo. Do mundo externo de conexão e engajamento para o universo diminuído de determinismo genético, transformação corporal e cultivo ciumento da própria virtude narcísica.

   Então, sim, existe uma linha de Dawkins para trans. A contribuição de Dawkins para o pensamento da elite foi colossal, especialmente com seu livro de 1976, The Selfish Gene. Ele tornou a biologia evolutiva dominante, a ideia de que nós, humanos, não somos tão especiais quanto pensávamos. Nosso universo não tem "desígnio, propósito, mal e bem, nada além de indiferença cega e impiedosa". 

   Ele escreveu certa vez : "O DNA não se importa nem sabe. O DNA simplesmente é. E nós dançamos ao som de sua música.' 

   Dance a sua música. A coisa mais impressionante sobre Dawkins e outros neodarwinistas não era seu ateísmo, disse a grande filósofa moral Mary Midgley, mas seu "fatalismo".

   No livro Eu solitário, uma crítica mordaz aos novos evolucionistas, Midgley repreendeu Dawkins por sua representação de "humanos indefesos escravizados por uma figura insensível do destino". Apenas sua visão fatalista era mais mortífera do que a dos escribas antigos, ela escreveu, porque desta vez o 'valentão cósmico' que controla nosso destino não é uma 'divindade pagã', mas 'uma substância química, DNA, uma parte de nossas próprias células'. 'Como outros organismos', lamentou ela, somos vistos como 'robôs pesados ​​governados pela [biologia]'.


   A visão de Dawkins cresceu em influência nas décadas de 1980 e 1990. Foi dada expressão na tecnocracia sem alma do novo ateísmo. Ele se fundiu com outras tendências atomizadoras de nosso tempo – o declínio das instituições sociais, o surgimento de uma cultura do medo e, sim, o enfraquecimento da religião – para exacerbar uma visão do indivíduo como totalmente sozinho, uma criatura genética mais do que um social, governado não pela razão, mas por instruções enviadas pelo nosso DNA. 'Thatcherismo Biológico', Midgley o chamou.

   E é o seguinte: se somos nossa biologia, e apenas isso, não faz sentido que os indivíduos que desejam mudar a si mesmos sintam a necessidade de mudar sua biologia? 

   Se dançarmos ao som da música de nosso DNA, não se segue que as pessoas que desejam se tornar algo diferente, algo diferente, terão o desejo de mudar a música de seu DNA?

   Em suma, há seguramente uma ligação entre a redução do ser humano à mera genética pós-década de 1970 e a mania deste novo milênio de tentar, ainda que desamparadamente, alterar-se ao nível da genética. Tomando hormônios, cortando pedaços, removendo testículos, removendo ovários, injetando, mutilando, perseguindo uma guerra incessante e impiedosa contra a própria essência biológica de alguém. 

   Que o movimento trans, e o identitarismo de forma mais ampla, trata o corpo como o único local de mudança não deve ser surpreendente em nossa era de thatcherismo biológico, onde não há sociedade, nem moralidade, nem bem, nem mal – apenas corpos, poeira estelar feita carne, todos seguindo impulsos genéticos. 

   Existe uma estreita relação entre as ideologias modernas de atomização e a guerra infernal infrutífera que os jovens agora travam em seus próprios corpos, em suas prisões de DNA que todos dizem que habitamos.

   Talvez Dawkins seja o avô do transgenerismo. Eu juro. Mas acho que precisamos nos livrar desse choque entre o determinismo biológico de um lado e a "liberação" biológica autodestrutiva do outro.

   A biologia é real, mas não nos controla. Você não pode mudar seu sexo, mas pode mudar suas circunstâncias. Isso, no entanto, exige que ultrapassemos tanto o thatcherismo biológico das novas ciências quanto a auto-estima neoliberal da política de identidade e redescubramos nosso lugar em um mundo de outras pessoas e outras ideias. 

   Somos criaturas sociais, não 'robôs pesados' para serem controlados ou, pior, cortados e substituídos por peças novas.

> Esse artigo foi publicado originalmente em inglês com o título e subtítulo The treachery of the atheists

Comentários

AspenBH disse…
Que nojo desse ateu trumpista-bolsonazista-fascista! Por que todo direitista precisa ser filho de rameira? 🤮
betoquintas disse…
Então um ateu recusa e rejeita as evidências científicas da existência de pessoas intersexuais?🤔
Marco Antônio F disse…
Ateísmo não é defender homossexualismo. Ateísmo é apenas a descrença em seres sobrenaturais e/ou divinos. Existem cromossomos XY para homens e XX para mulheres e isso é algo genético, não tem como mudar.
CBTF disse…
Ué, psicologia não é ciência também? Um ateu que recusa a existência de pessoas trans é também um negacionista científico.
K disse…
Parece haver muita confusão em relação às declarações de Dawkins. De acordo com o que li, o cientista reconhece a existência de pessoas intersexuais, aproximadamente 1 em cada 1000, e não nega a existência de pessoas com disforia de gênero. No entanto, como cientista, ele ressalta que a norma é ser macho ou fêmea. Ele também enfatiza que se alguém deseja ser tratado como do sexo oposto, deve ser respeitado, mas isso não altera sua natureza biológica. O argumento de Dawkins é fundamentado em sua visão científica, sem preconceito ou discurso de ódio.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Marcha para Jesus se tornou palanque para candidatos da extrema direita