Pular para o conteúdo principal

Deusas mães foram descartadas porque se precisava de um macho poderoso e onipresente, Jeová

Os impérios precisavam de homens cruéis e deuses impiedosos


Luis Carlos Balreira
presidente mundial da Legião Científica Brasileira

As estatuetas das deusas “gordinhas sexys”, de 40 mil anos atrás, como a Vênus de Willendorf (30 mil anos), mostram que os nossos ancestrais primitivos davam mais importância às mulheres, à alimentação farta na tribo, à amamentação dos bebês, principalmente em dias de fome, nos momentos de fracasso na caça.

Cabe lembrar que a segurança alimentar da Revolução Agrícola primordial da humanidade tem somente 10 mil anos. A partir daí começaram as guerras e carnificinas religiosas pelos estoques ou reservas de grãos ou alimentos, melhores terras férteis, com abundância de rios ou chuvas. 

A partir de então as deusas mães foram descartadas, e vítimas de feminicídio, sem punição para o assassino. O cristianismo embarcou tranquilamente no ‘’parto com muita dor’’ e na ‘’legítima defesa da honra’’.

A crença de um deus
poderosíssimo atende
mais aos interesses
das elites governantes 

As guerras e morticínios requeriam músculos fortes e ágeis espadas em tempo integral. Os impérios, as monarquias, as ditaduras precisavam de homens cruéis e deuses machos impiedosos. 

Até que os idealizadores do cristianismo bolaram a maior jogada mercadológica e mitológica de todos os tempos, inovando, adaptando, plagiando todas as mitologias anteriores encontradas, documentadas a partir da invenção da escrita há cerca de 6 mil anos, principalmente as mitologias egípcias e gregas.~

Todavia, o grande "pulo do gato" foi um Deus poderosíssimo, criador de tudo, no mesmo nível de Jeová. Como então o cristianismo pode ser monoteísta se Jeová, Deus dos judeus, foi anexado no mesmo livro sagrado, a Bíblia? 

Aí, então, veio o "exercício do impossível’’ que seria apresentar uma fotografia realista, inteligível, na mitologia bíblica, que mais parece com um quadro de Picasso ou Salvador Dalí aos olhos da Ciência.

Jesus Cristo foi chamado por muito tempo de o “Deus dos Escravos”. Mas eis a importância da grande sacada de marketing dos cristãos primitivos: a humanidade, sejam reis ou servos, líderes ou liderados, mulheres, homens, crianças, idosos, tiranos ou justos, sofremos todos desde os tempos em que vivíamos em cima das árvores. 

O medo está encravado em nosso cérebro, no DNA. ‘’A morte é um descanso’’. Sempre tivemos que olhar para cima com medo dos raios ou das águias predadoras, para baixo com medo das serpentes, para os lados com medo dos insetos, em cima das colinas espiando a provável aproximação de estranhos ou conhecidos inimigos vizinhos, etc. 

Hoje continuamos olhando para os lados a cada rua a atravessar! A ideia de “paraíso”, retirada do Livro dos Mortos, da religião egípcia, foi mantida na Bíblia, pois “time que está ganhando não se mexe”. 


Após viver a vida toda neste inferno secular ou terrestre, todo mundo quer uma vida boa, não é mesmo? Cada Deus ou político promete o que quer, de acordo com sua megalomania. Bolsonaro e sua dama oferecem uma teocracia a seus seguidores! Quem também não quer ‘’picanha e cerveja’’ após uma semana dura de trabalho?

O Império Romano relutou, por algum tempo, a abandonar seus deuses antigos, mormente os deuses da guerra, mas se rendeu àquela brilhante ideia hippie de ‘’paz e amor’’! 

Além disso, quem quer parecer para sempre um império tirânico, impiedoso? Por que não se fingir de escravo? Não é assim, camuflado, dissimulado, que o camaleão tem sucesso com suas presas? 

Vencer pela espada é muito caro, custoso, dispendioso, e cansativo, exaustivo. Os inimigos nunca desistem. Roma, que já tinha pecados de mil anos nas costas, não estava mais dando conta de suas conquistas, não podia estar em todos os lugares ao mesmo tempo, mas um Deus, sim, sem dúvida alguma! ‘’Por que não?’’, disse Roma. ‘’É, eu vou nessa!’’.
  • Cristianismo é a mais aloprada e contraditória de todas as religiões

Comentários

betoquintas disse…
O texto é de autoria de um homem que demonstra apoiar Jair Bolsonaro. Incoerência ou hipocrisia?

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Juiz que anulou união estável gay é pastor da Assembleia de Deus

Pastor Boas: "Não  nego minha fé" O juiz  Jeronymo Pedro Villas Boas (foto), 45, da 1º Vara da Fazenda Municipal e de Registros de Goiânia (GO), que anulou a união de um casal homossexual, admitiu hoje (22) que é pastor. "Sou pastor da Assembleia de Deus Madureira e não nego minha fé." Ele reafirmou  que a sua decisão está amparada pela Constituição que exige que para uma união o casal receba a autorização de um juiz. Justificou que a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que garante aos homossexuais os mesmo direito civis dos demais brasileiros, não é vinculante e o acórdão daquela sessão ainda não foi publicado. "As pessoas no Brasil para viverem juntas e se unirem têm que ter os requisitos formais da lei. Quem reconhece isso é um juiz.". O juiz foi convidado a participar hoje (22)  de uma sessão da bancada Evangélica da Câmara, que entregou a ele uma moção de apoio. A corregedora-geral de Justiça de Goiás, Beatriz Figueiredo Franco

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

As mulheres deveriam ficar longe do cristianismo. Oito razões

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

Música gravada pelo papa Francisco tem acordes de rock progressivo. Ouça