Pular para o conteúdo principal

Comunicadores científicos deveriam parar de dizer que a vida não tem sentido

A divulgação excessiva do pessimismo enfraquece a luta da ciência contra as alterações climáticas e a busca de cura para doenças


Chris Ellis
doutorando em história e filosofia da ciência
Universidade de Sydney, Austrália

The Conversation
plataforma de informação
e análise produzida por 
acadêmicos e jornalistas

A cosmovisão científica fez grandes contribuições para o florescimento da humanidade. Mas à medida que a ciência se aventura em territórios anteriormente controlados pela religião — tentando responder a questões sobre as origens do universo, da vida e da consciência —, a comunicação científica oferece frequentemente uma imagem bastante pessimista do mundo.

Vejamos alguns exemplos. Um artigo na New Scientist afirma que a nossa percepção de que os cães nos amam pode ser uma ilusão. O físico Brian Greene vê o destino final da humanidade no desaparecimento do sistema solar. O escritor Yuval Noah Harari, em seu livro best-seller Sapiens, postula que a vida não tem significado inerente. O filósofo David Benatar chega a afirmar que nascer é uma coisa ruim .

Os próprios cientistas podem não considerar pessimista a visão do universo apresentada acima. No entanto, isto pode colocá-los em conflito com muitas coisas que a humanidade valoriza — ou evoluiu para valorizar — como significado, propósito e livre arbítrio.

O princípio copernicano

Uma função essencial da comunicação científica é mobilizar as pessoas para agirem contra alguns dos problemas mais prementes da humanidade: pensemos na pandemia de Covid-19 ou nas alterações climáticas.

Nossa missão é compartilhar conhecimento e enriquecer o debate. Quem somos?

No entanto, ao contrário da maioria das pessoas, os cientistas e os comunicadores científicos tendem muitas vezes a pensar que os humanos não são, em certo sentido, nada de especial. Esta ideia é conhecida como princípio copernicano.

O princípio copernicano (em homenagem ao astrônomo Nicolau Copérnico, que percebeu que a Terra gira em torno do Sol) sustenta que os humanos não são observadores especiais do universo em comparação com outros seres que possam existir em outros lugares.

Antes do fim do universo,
é preciso impedir que a
Terra tenha um fim 
antecipado pelo homem

Indo mais longe, o princípio foi extrapolado para significar que qualquer tentativa de atribuir significado à vida humana ou de sugerir que há algo excepcional nas relações humanas cai fora do âmbito da ciência. Consequentemente, os seres humanos não têm um valor único e qualquer sugestão em contrário pode ser rejeitada como não científica.

Paradoxos

Embora a ciência não negue a importância da felicidade humana e do funcionamento da sociedade, não esperaríamos que um físico, por exemplo, modificasse as suas teorias da cosmologia para torná-las mais psicologicamente significativas.

Isto leva-nos a dois grandes paradoxos que a comunicação científica tenta frequentemente debater.

Vivemos num mundo determinista, sem livre arbítrio, mas temos de optar por aceitar a ciência e evitar as alterações climáticas. E devemos agir agora.

O universo está destinado a terminar em um vazio congelado e morto, e a vida não tem sentido. Mas temos de evitar as alterações climáticas para que o nosso planeta não se torne um vazio morto e sobreaquecido, e possamos continuar com as nossas vidas sem sentido.

Como consequência destes paradoxos, aqueles que não se alinham com as afirmações da ciência sobre a natureza fundamental do universo podem não aceitar argumentos científicos relativos às alterações climáticas. Se a aceitação de parar de utilizar combustíveis fósseis anda de mãos dadas com a aceitação de que a vida não tem sentido, não é surpreendente que alguns estejam relutantes.

E pior, inscrever-se na “ciência” também pode significar aceitar que sua religião é falsa, que sua espiritualidade é uma ilusão e que seu relacionamento com seu cachorro é baseado em uma mentira evolutiva.

Crenças científicas

Nas palavras às vezes vistas em certas camisetas, comumente atribuídas ao astrônomo Neil deGrasse Tyson, “a ciência não se importa com o que você acredita”. O que Tyson disse foi um pouco menos combativo: “A grande vantagem da ciência é que ela é verdade, quer você acredite nela ou não”.

Mas se a ciência, pela sua natureza racional e objectiva, não pode importar-se com o que as pessoas acreditam, talvez a comunicação científica devesse preocupar-se.

Vamos comparar a comunicação científica com a comunicação em saúde, por exemplo. A maternidade do Royal North Shore Hospital de Sydney tem a palavra “bem-vindo” em mais de 20 idiomas. A religião é solicitada na documentação de admissão para evitar insensibilidade e fornecer orientação espiritual adequada, se necessário.

As mensagens de saúde pública são adaptadas ao seu público com base em pesquisas em antropologia da saúde.

Tudo isto é feito para alcançar os melhores resultados de saúde e tentar criar cuidados de saúde centrados nas pessoas. E isso apesar de um vírus ou uma doença crônica pouco se importar com suas crenças religiosas ou espirituais.

Polos opostos

Os defensores da ciência muitas vezes encontram-se envolvidos numa batalha contra as forças da superstição. Uma batalha sobre a qual o geneticista Francis S. Collins garante que é “ofuscada pelos pronunciamentos em grande volume daqueles que ocupam os polos do debate”.

Mas se tentamos usar a comunicação científica para tornar o mundo um lugar melhor, não devemos permitir que o drama desta batalha nos distraia do nosso objetivo final.

Em vez disso, os comunicadores fariam bem em adotar uma abordagem mais sensível e antropológica à comunicação científica. Compreender o que as pessoas valorizam e como alcançá-los pode realmente ajudar os avanços na ciência a tornar o mundo um lugar melhor.

Não temos de mudar o que a ciência descobre, mas talvez não tenhamos de dizer às pessoas que as suas vidas não têm sentido no primeiro capítulo de um livro científico popular. Como diz Brian Greene, “desenvolvemos estratégias para lidar com o conhecimento da nossa impermanência” que nos dão esperança à medida que “caminhamos em direção à eternidade”

Esse artigo foi publicado originalmente em inglês. 

• Divulgação da ciência anulará a religião, escreve Dawkins

• Na conflito fé versus ciência, Darwin coloca Deus em xeque

• Todos os cientistas deveriam ser ateus militantes, afirma Krauss

Comentários

Paulo Lopes disse…
Acho que cada um de nós deve dar sentido a sua própria vida. Quanto ao fim do universo, isso ocorrerá em bilhões, bilhões, bilhões de anos. Não é algo com que se preocupar. Chris Ellis exagera em seus argumentos. Escreve como se fosse (ou desejasse ser) eterno.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Evangélicos quebram imagens de umbanda no Rio

por Denise Menchen , da Folha Quatro integrantes da igreja evangélica Nova Geração de Jesus Cristo foram presos, acusados de invadir ontem à noite um centro de umbanda no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, e quebrar cerca de 30 imagens religiosas, prateleiras e um ventilador (foto). O caso foi registrado na 9ª DP (Catete). Segundo uma das dirigentes do Centro Espírita Cruz de Oxalá, a advogada Cristina Maria Costa Moreira, 45, cerca de 50 pessoas aguardavam em fila a abertura do atendimento ao público, às 19h, quando Alessandro Brás Cabral dos Santos, Afonso Henrique Alves Lobato, Raimundo Nonato e uma jovem identificada apenas como Dominique chegaram ao local. De acordo com Moreira, eles ofenderam os presentes e forçaram a entrada na casa. "Eles chegaram dizendo que queriam ver onde estava o demônio e foram direto para o terreiro", conta Celso Quadros, 52, outro dirigente do centro espírita. "Quebraram tudo, inclusive imagens que temos há 40 anos". A a

Bento 16 associa união homossexual ao ateísmo

Papa passou a falar em "antropologia de fundo ateu" O papa Bento 16 (na caricatura) voltou, neste sábado (19), a criticar a união entre pessoas do mesmo sexo, e, desta vez, associou-a ao ateísmo. Ele disse que a teoria do gênero é “uma antropologia de fundo ateu”. Por essa teoria, a identidade sexual é uma construção da educação e meio ambiente, não sendo, portanto, determinada por diferenças genéticas. A referência do papa ao ateísmo soa forçada, porque muitos descrentes costumam afirmar que eles apenas não acreditam em divindades, não se podendo a priori se inferir nada mais deles além disso. Durante um encontro com católicos de diversos países, Bento 16 disse que os “cristãos devem dizer ‘não’ à teoria do gênero, e ‘sim’ à aliança entre homens e mulheres no casamento”. Afirmou que a Igreja defende a “dignidade e beleza do casamento” e não aceita “certas filosofias, como a do gênero, uma vez que a reciprocidade entre homens e mulheres é uma expressão da bel

Xuxa pede mobilização contra o 'monstro' Marco Feliciano

Pela primeira vez a apresentadora se envolve em uma polêmica A apresentadora da Rede Globo Xuxa (foto) afirmou em sua página no Facebook que o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não é “um religioso, é um monstro”. Sem citar o nome de Feliciano, ela ficou indignada ao ler que “esse deputado disse que negros, aidéticos e homossexuais não têm alma”. “Vamos fazer alguma coisa! Em nome de Deus, ele não pode ter poder.” É a primeira vez que Xuxa pede mobilização de seus fãs em uma questão polêmica. Amiga do padre Marcelo Rossi, ela é católica praticante. No Facebook, em seu desabafo, escreveu sete vezes a palavra "Deus" e argumentou que todos sabem que ela respeita todas as religiões. A apresentadora também se mostrou abalada ao saber que Feliciano, durante uma pregação, pediu a senha do cartão bancário de um fiel. “O que é isso, meu povo?” “Essa pessoa não pode ser presidente da C