Pular para o conteúdo principal

Todos os cientistas deveriam ser ateus militantes, afirma Krauss



“Todos os cientistas deveriam ser ateus militantes porque eles têm a obrigação de não mentir sobre o mundo natural.”

'Contradição entre
 ciência e religião deve
 ser divulgada'
A afirmação é do astrofísico Lawrence Krauss (foto), diretor do Projeto Origens da Universidade de Arizona (EUA). Ele também é divulgador dE ciência e ateísmo.

Para Krauss, a ciência é um “empreendimento ateísta” porque suas descobertas e abordagens mostram que, de uma maneira geral, as religiões estão equivocadas, sendo, assim, um atraso para a humanidade.

Por isso, disse, para o desenvolvimento da própria ciência, os cientistas devem vir a público toda vez em que descobrir algo que questiona as crenças.

Ele afirmou que os cientistas precisam se confrontar sem medo com as religiões, reagindo à noção religiosa de que uma ideia ou conceito é inquestionável. Para a ciência, nada é sagrado, disse.

Ele lamentou que, apesar disso, há cientistas que, por temer ataques de religiosos, se mantêm em silêncio quando fazem descobertas que não estão em harmonia com doutrinas religiosas.

Krauss afirmou que é um argumento enganoso afirmar que a ciência e o dogma religioso podem ser compatíveis entre si.

Com informação de ensaio escrito por Krauss para The News Yorker.



Crer que um deus criou tudo é preguiça mental, afirma Krauss

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m