Pular para o conteúdo principal

Comunicadores científicos deveriam parar de dizer que a vida não tem sentido

A divulgação excessiva do pessimismo enfraquece a luta da ciência contra as alterações climáticas e a busca de cura para doenças


Chris Ellis
doutorando em história e filosofia da ciência
Universidade de Sydney, Austrália

The Conversation
plataforma de informação
e análise produzida por 
acadêmicos e jornalistas

A cosmovisão científica fez grandes contribuições para o florescimento da humanidade. Mas à medida que a ciência se aventura em territórios anteriormente controlados pela religião — tentando responder a questões sobre as origens do universo, da vida e da consciência —, a comunicação científica oferece frequentemente uma imagem bastante pessimista do mundo.

Vejamos alguns exemplos. Um artigo na New Scientist afirma que a nossa percepção de que os cães nos amam pode ser uma ilusão. O físico Brian Greene vê o destino final da humanidade no desaparecimento do sistema solar. O escritor Yuval Noah Harari, em seu livro best-seller Sapiens, postula que a vida não tem significado inerente. O filósofo David Benatar chega a afirmar que nascer é uma coisa ruim .

Os próprios cientistas podem não considerar pessimista a visão do universo apresentada acima. No entanto, isto pode colocá-los em conflito com muitas coisas que a humanidade valoriza — ou evoluiu para valorizar — como significado, propósito e livre arbítrio.

O princípio copernicano

Uma função essencial da comunicação científica é mobilizar as pessoas para agirem contra alguns dos problemas mais prementes da humanidade: pensemos na pandemia de Covid-19 ou nas alterações climáticas.

Nossa missão é compartilhar conhecimento e enriquecer o debate. Quem somos?

No entanto, ao contrário da maioria das pessoas, os cientistas e os comunicadores científicos tendem muitas vezes a pensar que os humanos não são, em certo sentido, nada de especial. Esta ideia é conhecida como princípio copernicano.

O princípio copernicano (em homenagem ao astrônomo Nicolau Copérnico, que percebeu que a Terra gira em torno do Sol) sustenta que os humanos não são observadores especiais do universo em comparação com outros seres que possam existir em outros lugares.

Antes do fim do universo,
é preciso impedir que a
Terra tenha um fim 
antecipado pelo homem

Indo mais longe, o princípio foi extrapolado para significar que qualquer tentativa de atribuir significado à vida humana ou de sugerir que há algo excepcional nas relações humanas cai fora do âmbito da ciência. Consequentemente, os seres humanos não têm um valor único e qualquer sugestão em contrário pode ser rejeitada como não científica.

Paradoxos

Embora a ciência não negue a importância da felicidade humana e do funcionamento da sociedade, não esperaríamos que um físico, por exemplo, modificasse as suas teorias da cosmologia para torná-las mais psicologicamente significativas.

Isto leva-nos a dois grandes paradoxos que a comunicação científica tenta frequentemente debater.

Vivemos num mundo determinista, sem livre arbítrio, mas temos de optar por aceitar a ciência e evitar as alterações climáticas. E devemos agir agora.

O universo está destinado a terminar em um vazio congelado e morto, e a vida não tem sentido. Mas temos de evitar as alterações climáticas para que o nosso planeta não se torne um vazio morto e sobreaquecido, e possamos continuar com as nossas vidas sem sentido.

Como consequência destes paradoxos, aqueles que não se alinham com as afirmações da ciência sobre a natureza fundamental do universo podem não aceitar argumentos científicos relativos às alterações climáticas. Se a aceitação de parar de utilizar combustíveis fósseis anda de mãos dadas com a aceitação de que a vida não tem sentido, não é surpreendente que alguns estejam relutantes.

E pior, inscrever-se na “ciência” também pode significar aceitar que sua religião é falsa, que sua espiritualidade é uma ilusão e que seu relacionamento com seu cachorro é baseado em uma mentira evolutiva.

Crenças científicas

Nas palavras às vezes vistas em certas camisetas, comumente atribuídas ao astrônomo Neil deGrasse Tyson, “a ciência não se importa com o que você acredita”. O que Tyson disse foi um pouco menos combativo: “A grande vantagem da ciência é que ela é verdade, quer você acredite nela ou não”.

Mas se a ciência, pela sua natureza racional e objectiva, não pode importar-se com o que as pessoas acreditam, talvez a comunicação científica devesse preocupar-se.

Vamos comparar a comunicação científica com a comunicação em saúde, por exemplo. A maternidade do Royal North Shore Hospital de Sydney tem a palavra “bem-vindo” em mais de 20 idiomas. A religião é solicitada na documentação de admissão para evitar insensibilidade e fornecer orientação espiritual adequada, se necessário.

As mensagens de saúde pública são adaptadas ao seu público com base em pesquisas em antropologia da saúde.

Tudo isto é feito para alcançar os melhores resultados de saúde e tentar criar cuidados de saúde centrados nas pessoas. E isso apesar de um vírus ou uma doença crônica pouco se importar com suas crenças religiosas ou espirituais.

Polos opostos

Os defensores da ciência muitas vezes encontram-se envolvidos numa batalha contra as forças da superstição. Uma batalha sobre a qual o geneticista Francis S. Collins garante que é “ofuscada pelos pronunciamentos em grande volume daqueles que ocupam os polos do debate”.

Mas se tentamos usar a comunicação científica para tornar o mundo um lugar melhor, não devemos permitir que o drama desta batalha nos distraia do nosso objetivo final.

Em vez disso, os comunicadores fariam bem em adotar uma abordagem mais sensível e antropológica à comunicação científica. Compreender o que as pessoas valorizam e como alcançá-los pode realmente ajudar os avanços na ciência a tornar o mundo um lugar melhor.

Não temos de mudar o que a ciência descobre, mas talvez não tenhamos de dizer às pessoas que as suas vidas não têm sentido no primeiro capítulo de um livro científico popular. Como diz Brian Greene, “desenvolvemos estratégias para lidar com o conhecimento da nossa impermanência” que nos dão esperança à medida que “caminhamos em direção à eternidade”

Esse artigo foi publicado originalmente em inglês. 

• Divulgação da ciência anulará a religião, escreve Dawkins

• Na conflito fé versus ciência, Darwin coloca Deus em xeque

• Todos os cientistas deveriam ser ateus militantes, afirma Krauss

Comentários

Paulo Lopes disse…
Acho que cada um de nós deve dar sentido a sua própria vida. Quanto ao fim do universo, isso ocorrerá em bilhões, bilhões, bilhões de anos. Não é algo com que se preocupar. Chris Ellis exagera em seus argumentos. Escreve como se fosse (ou desejasse ser) eterno.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m