Pular para o conteúdo principal

Francisco destitui bispo conservador de diocese dos Estados Unidos

Opositor ferrenho do papa, o bispo se destacou com crítica à adoção da vacina contra a Covid-19 


COLLEEN DULLE
jornalista

América
revista fundada pela Companhia de Jesus

O papa Francisco destituiu Dom Joseph Strickland, o polêmico bispo de Tyler, no Texas, depois que este se recusou a renunciar ao cargo, de acordo com uma declaração pública de seu bispo metropolitano, o cardeal Daniel DiNardo, de Galveston-Houston. Uma nova função para Strickland não foi anunciada na carta do cardeal DiNardo. Dom Joe Vazquez, de Austin, Texas, foi nomeado administrador apostólico da Diocese de Tyler.

Dom Joseph Strickland foi alvo de uma investigação do Vaticano em junho. Seguindo a sua prática habitual, o Vaticano não divulgou o que motivou a investigação, oficialmente chamada de visitação apostólica. Aconteceu apenas seis semanas depois de Strickland ter chamado a atenção de alguns no Vaticano ao tuitar que rejeita o que chamou de “programa de minar o depósito da fé” do Papa Francisco.

O correspondente americano do Vaticano, Gerard O'Connell, relatou que fontes do Vaticano com quem ele conversou acreditavam que o tuíte de Strickland havia ultrapassado os limites.

O bispo já havia recebido um aviso sobre sua conta no Twitter do embaixador do papa nos Estados Unidos em 2021, segundo o Religion News Service. Um podcaster próximo de Strickland disse que o bispo fora explicitamente advertido para “parar de falar sobre o depósito da fé”.

Fontes do Vaticano, que desejaram permanecer anônimas porque não estavam autorizadas a falar sobre o assunto, disseram à revista America que os comentários do bispo no Twitter sobre o papa não foram a única razão para a sua remoção, mas que a visita revelou problemas importantes com o seu governo da diocese.

Strickland foi destituído
após se negar pedido do
Vaticano de renúncia

Na sua carta desta manhã, o cardeal DiNardo revela que, como resultado da visitação apostólica, “a recomendação foi ao Santo Padre que a continuação no cargo de Strickland não era viável”. Após vários meses “de consideração cuidadosa por parte do Dicastério para os Bispos e do Santo Padre”, a renúncia de Strickland foi solicitada em 09-11-2023. Strickland recusou-se a renunciar, e o Papa Francisco posteriormente destituiu o bispo em 11 de novembro.

Dom Joseph Strickland liderava a diocese de 33 condados desde 2012, quando foi nomeado pelo papa Bento XVI. Ele foi padre da diocese de Tyler e serviu em vários pontos como diretor vocacional da diocese, administrador apostólico e vigário geral.

Quando foi nomeado pela primeira vez, ele era conhecido como o “bispo blogueiro”, escrevendo postagens incontroversas em seu site pessoal sobre fé e seu hobby de correr.

Ele tornou-se mais aberto como crítico de Francisco ao longo do tempo, encaminhando a explosiva carta de Dom Carlo Maria Viganó de 2018 pedindo a renúncia do papa a “todos os Santos Fiéis da Diocese de Tyler” e dizendo que considerava “credíveis” as alegações da carta de que o papa Francisco encobriu conscientemente o abuso sexual de menores e seminaristas cometido pelo ex-cardeal Theodore McCarrick. Depois que o Vaticano publicou a sua investigação sobre o caso McCarrick em 2020, Strickland voltou atrás no seu apoio.

Strickland também criticou veementemente as restrições à pandemia de Covid-19 e a vacina. Ele assinou uma petição, supostamente preparada por Viganó, chamando a pandemia de “pretexto” por parte de atores não identificados para manipular as pessoas e restringir as suas liberdades, incluindo a liberdade de culto. A petição chamou as restrições à pandemia de “um prelúdio perturbador para a realização de um governo mundial fora de qualquer controle”.

Joseph Strickland não é o único bispo dos EUA que esteve sob o escrutínio do Vaticano este ano. Dom Richard Stika, de Knoxville, Tennessee, foi investigado em 2022 por sua suposta má gestão de casos de abuso sexual e finanças em sua diocese. Em junho, o bispo, então com 65 anos, apresentou a sua renúncia ao papa, que a aceitou.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão