Pular para o conteúdo principal

Na caça à nudez, Malafaia dos católicos critica a Capela Sistina


Padre Paulo Ricardo faz elogio
à Igreja da Idade Média

O padre Paulo Ricardo (foto), o Malafaia dos católicos, fez um malabarismo mental para defender que arte sacra com peladões não é verdadeiramente cristã. 

Para marcar sua presença nas milícias religiosas que agem contra o nu artístico, Paulo Ricardo chegou a criticar o teto da Capela Sistina, a obra renascentista de Michelangelo (1475-1564).

Em um vídeo, disse que, embora a Igreja tenha coberto os personagens nus “em hora oportuna”, o conceito pagão ainda permaneceu, por apresentar Jesus, Deus e Virgem Maria como, respectivamente, Apolo, Júpiter e Vênus.


O padre sabe muito bem que a Igreja Católica desde sempre se inspirou no paganismo. Michelangelo apenas retratou uma verdade.

O padre, certamente, acredita que seus seguidores sejam otários, que não sabem abrir um livro de história ou consultar na internet a história do cristianismo.

O Malafaia católico inventou que a teoria de que quem tira a roupa esconde a alma, como "as mulatas do Carnaval".

Citou Adão e Eva, que tiveram de se vestir após a expulsão de Adão e Eva.

Entre outras baboseiras, elogiou a Igreja da Idade Média, dizendo que não se tratou de um tempo de trevas e que o Renascimento é chamado erroneamente como "Século das Luzes".

Paulo Ricardo não elogiou a Santa Inquisição, mas um dia, talvez, ele obtenha coragem para fazê-lo.





Malafaia católico acusa juízes de seguirem valores ateístas

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

Gabriel Paz disse…
Mentirosos arrogantes, vão trabalhar ao invés de atacar o padre, seus vagabundos

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão