Pular para o conteúdo principal

Ministro dos Direitos Humanos coloca a constelação familiar sob suspeita de abuso

Entidades e pesquisadores demonstram que a prática revitimiza principalmente as mulheres e reforça as visões tradicionais e patriarcais 


O ministro Silvio Almeida, dos Direitos Humanos, pediu ao Conselho Nacional de Direitos Humanos a promoção de um debate sobre os abusos denunciados na prática da prática de constelação familiar.

Almeida tomou a iniciativa após receber carta do Conselho Federal de Psicologia, do Instituto Questão de Ciência e de pesquisadores universitários alertando sobre os riscos dessa terapia que tem se expandido no Brasil, inclusive em instâncias judiciais.

Desenvolvida pelo alemão Bert Hellinger (1925-2019) a partir dos anos 1970, a constelação familiar é uma técnica polêmica entre psicólogos porque, como dramatização, revitimiza, por exemplo, mulheres vítimas de violência doméstica.

Em dramatização, geralmente na presença do agressor, as vítimas têm de encenar como foi a violência.

Encenações fazem as
vítimas reviver humilhação
e constrangimento
 
FOTO: DIVULGAÇÃO GOVERNO FEDERAL

Para os autores da carta, a prática da constelação familiar se baseia em visões tradicionais e patriarcais de família, prejudicando mulheres, sobretudo em processos de conciliação em Varas de Família.

A controvertida terapia se propõe a resolver conflitos familiares por meio de conceitos como respeito a antepassados e hierarquia.

Nessa dinâmica, o indivíduo pode descobrir que está repetindo o mesmo erro que um ancestral cometeu, por exemplo, e que precisa perdoar os familiares, mesmo em situações que envolvam violência e abusos sexuais.

O ministro Almeida também encaminhou o caso ao Conselho Nacional de Justiça, ao Ministério das Mulheres e ao Ministério da Saúde.

Em nota publicada em março, o Conselho Federal de Psicologia apontou problemas com a prática, entre elas “o reconhecimento, enquanto fundamento teórico da constelação familiar, do uso da violência como mecanismo para restabelecimento de hierarquia violada —inclusive atribuindo a meninas e mulheres a responsabilidade pela violência sofrida.”

“A teoria da constelação familiar parece adotar uma concepção de casal e família de bases patriarcais, calcada na heterossexualidade compulsória, que tende a naturalizar a desigualdade de gênero em relações conjugais e familiares”, afirma a nota.

Com informação do Ministério dos Direitos Humanos e outras fontes.

• Constelação familiar é tóxica e pode causar danos irreparáveis, alerta psicólogo

• Constelação familiar é a pseudociência de estimação do Judiciário

• Constelação família é pseudociência a serviço do machismo

Comentários

CBTF disse…
Aqui na minha cidade tem vários consultórios de psicologia fazendo propaganda dessa prática, mesmo sendo proibida pelo Conselho de Psicologia, o Brasil nunca dará certo se não tiver fiscalização, em nome de uma pretensa liberdade religiosa podem cometer todos os tipos de crimes e abusos.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Terraplanista vai a Noruega, vê o sol da meia-noite e admite que a Terra é redonda

Bíblia tem mais de 2,5 milhões de mortes em nome de Deus

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três