Pular para o conteúdo principal

Ministro dos Direitos Humanos coloca a constelação familiar sob suspeita de abuso

Entidades e pesquisadores demonstram que a prática revitimiza principalmente as mulheres e reforça as visões tradicionais e patriarcais 


O ministro Silvio Almeida, dos Direitos Humanos, pediu ao Conselho Nacional de Direitos Humanos a promoção de um debate sobre os abusos denunciados na prática da prática de constelação familiar.

Almeida tomou a iniciativa após receber carta do Conselho Federal de Psicologia, do Instituto Questão de Ciência e de pesquisadores universitários alertando sobre os riscos dessa terapia que tem se expandido no Brasil, inclusive em instâncias judiciais.

Desenvolvida pelo alemão Bert Hellinger (1925-2019) a partir dos anos 1970, a constelação familiar é uma técnica polêmica entre psicólogos porque, como dramatização, revitimiza, por exemplo, mulheres vítimas de violência doméstica.

Em dramatização, geralmente na presença do agressor, as vítimas têm de encenar como foi a violência.

Encenações fazem as
vítimas reviver humilhação
e constrangimento
 
FOTO: DIVULGAÇÃO GOVERNO FEDERAL

Para os autores da carta, a prática da constelação familiar se baseia em visões tradicionais e patriarcais de família, prejudicando mulheres, sobretudo em processos de conciliação em Varas de Família.

A controvertida terapia se propõe a resolver conflitos familiares por meio de conceitos como respeito a antepassados e hierarquia.

Nessa dinâmica, o indivíduo pode descobrir que está repetindo o mesmo erro que um ancestral cometeu, por exemplo, e que precisa perdoar os familiares, mesmo em situações que envolvam violência e abusos sexuais.

O ministro Almeida também encaminhou o caso ao Conselho Nacional de Justiça, ao Ministério das Mulheres e ao Ministério da Saúde.

Em nota publicada em março, o Conselho Federal de Psicologia apontou problemas com a prática, entre elas “o reconhecimento, enquanto fundamento teórico da constelação familiar, do uso da violência como mecanismo para restabelecimento de hierarquia violada —inclusive atribuindo a meninas e mulheres a responsabilidade pela violência sofrida.”

“A teoria da constelação familiar parece adotar uma concepção de casal e família de bases patriarcais, calcada na heterossexualidade compulsória, que tende a naturalizar a desigualdade de gênero em relações conjugais e familiares”, afirma a nota.

Com informação do Ministério dos Direitos Humanos e outras fontes.

• Constelação familiar é tóxica e pode causar danos irreparáveis, alerta psicólogo

• Constelação familiar é a pseudociência de estimação do Judiciário

• Constelação família é pseudociência a serviço do machismo

Comentários

CBTF disse…
Aqui na minha cidade tem vários consultórios de psicologia fazendo propaganda dessa prática, mesmo sendo proibida pelo Conselho de Psicologia, o Brasil nunca dará certo se não tiver fiscalização, em nome de uma pretensa liberdade religiosa podem cometer todos os tipos de crimes e abusos.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão