Pular para o conteúdo principal

Memórias coletivas alimentam conflitos entre nações. Como escapar desse círculo medonho?

As representações sociais do passado podem perpetuar consequências de controversas e discórdias que deveriam estar superadas


OLUMBA E. EZENWA
bolsista de doutorado no Centro de
Pesquisa de Conflitos, Violência e 
Terrorismo, da Royal Holloway, 
Universidade de Londres, Inglaterra

The Conversation
plataforma de informação
e análise produzida por 
acadêmicos e jornalistas

Quando um grupo de jovens atacou lojas e edifícios em Tallinn, na Estônia, na noite de 26 de abril de 2007, provocou dois dias de agitação civil. Isto resultou na morte de um jovem, ferimentos em 100 pessoas, incluindo 13 policiais, e na prisão de mais de 1.000 pessoas.

A agitação deveu-se a um desacordo entre duas comunidades – de etnia estônia e de etnia russa – sobre como deveriam recordar os acontecimentos da Segunda Guerra Mundial e do período soviético. Essas divergências resultaram de “memórias coletivas” controversas de eventos e narrativas.

Essas recordações partilhadas de acontecimentos passados ​​podem surgir entre um grupo ou nação – sejam elas factuais ou fabricadas.

Como demonstrei num artigo publicado na Genealogy, as memórias coletivas entre os indivíduos de uma comunidade, transmitidas através de gerações, estão frequentemente no centro dos conflitos.

A memória coletiva é uma representação social do passado. Em última análise, explica como as lembranças compartilhadas das pessoas são formadas dentro dos grupos sociais aos quais pertencem. Mas também explica como são formadas contra grupos sociais dos quais não se consideram membros.

Isto cria um passado partilhado e coletivo entre cada grupo que pode ser reacendido no presente para reter a memória do passado.

Esta pode parecer apenas mais uma palavra para história. Mas a memória não é história. Em última análise, a história vê os eventos com profundidade e de múltiplas perspectivas.

Contradições sociais do passado
são mantidas vivas muitas vezes 
por narrativas fantasiosas

A memória coletiva, por outro lado, simplifica os acontecimentos – vendo-os a partir de uma perspectiva única e reduzindo-os a mitos.

É muito parecido com o modo como nossas memórias individuais funcionam. Frequentemente, elas são falhas e motivadas pela forma como queremos nos ver. Como tal, a memória coletiva está fundamentalmente ligada à identidade de uma forma que a história aspira não estar, embora esta última possa impulsionar a primeira.

As memórias coletivas podem ser compartilhadas de diversas maneiras. Isto inclui contos de família, folclore, educação institucionalizada, redes sociais, narrativas sancionadas, propaganda e educação.

Um vislumbre da Nigéria

Defendo que relatos históricos controversos moldam as memórias coletivas, bem como o comportamento coletivo. 

Minha conclusão baseia-se em estudos de caso realizados em abril de 2018 e maio de 2022 no estado de Benue, na Nigéria, com o objetivo de compreender a persistência dos conflitos naquele país ao longo do tempo.

Os eventos históricos na Nigéria pré-colonial, colonial e pós-colonial ressoam hoje. Isto reacendeu memórias coletivas, influenciando o comportamento coletivo face à violência. Isso ocorre porque as pessoas procuram reparar as queixas atuais através das lentes dos acontecimentos passados.

A história da Nigéria é marcada pela violência persistente, através das eras do imperialismo europeu, da independência, da guerra Nigéria-Biafra (1967-70), das ditaduras militares e da política multipartidária.

Um problema é a eco-violência – conflito pela água e outros recursos agrícolas entre grupos em conflito: pastores nômades e agricultores. Estes conflitos persistem há décadas, desde os tempos coloniais até à independência e aos dias de hoje.

As memórias coletivas influenciam o comportamento coletivo das pessoas de diversas maneiras. Primeiro, eles fornecem contextos históricos para questões contemporâneas. Em segundo lugar, ligam uma emoção passada conhecida e partilhada coletivamente a um evento atual. E terceiro, associam questões atuais a contradições sociais de acontecimentos anteriores, como os esforços coloniais para dividir e conquistar.

A convergência destes três fatores molda a persistência de conflitos entre os pastores nômades e os agricultores. Existem narrativas conflitantes entre os dois grupos em relação à propriedade de terras comunais. Existem também opiniões divergentes sobre quem deveria ter acesso a ele – e como.

Entre os agricultores da região, os conflitos são vistos como um ressurgimento da jihad de 1804, um ataque militar e religioso levado a cabo por um exército islâmico, com o objetivo de reivindicar as suas terras. Eles agora se sentem atacados novamente.

Os pastores nômades fulanis, por outro lado, afirmam os seus direitos de acesso aos recursos agrícolas citando a sua linhagem ao Califado de Sokoto, que foi criado como resultado da jihad e outrora governou partes da região centro-norte.

Estas memórias coletivas controversas entre os dois grupos moldam as percepções das pessoas e as suas ações coletivas. E esta transferência de emoções de acontecimentos passados ​​para acontecimentos novos complica a resolução pacífica de conflitos. Em última análise, leva a disputas violentas persistentes.

Os conflitos violentos em curso entre agricultores e pastores nômades fulanis na Nigéria, semelhantes aos distúrbios de 2007 em Tallinn, na Estónia, são moldados por diferentes narrativas do passado. O efeito das memórias coletivas na intensificação destes confrontos violentos é inegável.

Resolução de conflitos

Incorporar a memória coletiva nas estratégias de resolução de conflitos é crucial para alcançar uma paz sustentada. Uma maneira de fazer isso é usar “técnicas de reavaliação cognitiva”. Tais técnicas envolvem expor indivíduos a situações de grande carga emocional para mudar suas reações emocionais.

O distanciamento temporal, por exemplo, é uma técnica de reavaliação cognitiva que ocorre quando você imagina um evento estressante da perspectiva do seu eu futuro, e não da perspectiva do seu eu atual.

Outra técnica, o autodistanciamento, implica afastar-se das suas reações imediatas para ver eventos carregados de emoção a partir de uma perspectiva mais ampla. 

A técnica de reavaliação cognitiva, quando aplicada a uma situação de conflito, visa diminuir a hostilidade do grupo, encorajar respostas pacíficas a incidentes violentos passados ​​e reduzir o comportamento agressivo nas interações do grupo.

Poderia, portanto, reduzir as divergências entre duas comunidades. Embora a adaptação desta abordagem ao contexto nigeriano possa exigir estudos adicionais, ela tem potencial.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão