Pular para o conteúdo principal

Laicidade de Estado pressupõe a garantia ao casamento homoafetivo

Impedir que o Estado legisle com base em princípios religiosos é um desafio


RICARDO OLIVEIRA DA SILVA
docente do curso de história da UFMS/CPNA)

Doze anos atrás, mais precisamente em maio de 2011, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), de forma unânime, equiparou as relações entre pessoas do mesmo sexo às uniões resultantes entre homens e mulheres, reconhecendo, assim, a união homoafetiva como um núcleo familiar. 

A decisão foi tomada no julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 4277 e da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 132.

O relator das ações, ministro Ayres Britto (aposentado), ressaltou, em seu voto, que a Constituição Federal de 1988 (artigo 3º, inciso IV) veda qualquer discriminação em razão de sexo, raça, cor e que, nesse sentido, ninguém pode ser diminuído ou discriminado em função de sua orientação sexual. “O sexo das pessoas, salvo disposição suficiente, não se presta para desigualação jurídica”, afirmou.

O referido artigo 3º indicado, pelo então, à época, ministro Ayres Britto, versa sobre os objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil, e é um dos pilares da noção da laicidade, acrescido do artigo 19, incisivo I, que veda à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, “estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesses público”.

Em maio de 2011, o Supremo
reconheceu a união homoafetiva
como um núcleo familiar

FOTO: REDE SOCIAL

O que eu chamo de “ABC da laicidade” é o núcleo do conceito do Estado laico, o que pressupõe que o Estado não deve ter uma religião oficial e, consequentemente, não deve favorecer um credo religioso determinado em detrimento de outros, assim como o Estado não deve descriminar qualquer cidadão ou grupo de cidadãos face a ter ou não ter crenças religiosas. E, mais: o Estado não deve legislar com base em princípios religiosos.

No entanto, de 2011 para cá, cresceu a influência de grupos religiosos conservadores na sociedade e dentro do Congresso Nacional, os quais buscam criar leis sob justificativas religiosas, na pretensão “defesa da família, da moral e dos bons costumes”. 

Um exemplo disso é a discussão feita atualmente na Comissão da Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família, da Câmara dos Deputados, em torno de um projeto de lei que visa proibir a união civil homoafetiva aprovada pelo STF em 2011.

No entanto, como destacado no julgamento de 2011, o artigo 3º, inciso IV, veda a discriminação em função da orientação sexual. Além disso, o artigo 1º, inciso III, afirma que um dos fundamentos da República Federativa do Brasil é a dignidade da pessoa humana. Nesse caso, a união civil homoafetiva é uma garantia de direitos para uma parcela da população alijada dessa prerrogativa, sem diminuir os direitos de matrimônio de casais heterossexuais.

Porém, em decorrência da forte influência das instituições religiosas e da religiosidade no espaço público (não esquecer que até o final do século XIX o catolicismo era religião oficial do Brasil), existe uma tendência em naturalizar a ação de práticas políticas sob uma visão religiosa, vide leituras da Bíblia nas casas legislativas pelo país fora, uso de verbos públicos para eventos religiosos de determinados credos ou a defesa do uso do mandato político em “nome de Deus”.

Neste ano a Constituição de 1988 completa 35 anos de existência. Contudo, colocar na prática diversos dos seus dispositivos constitucionais ainda é um desafio. Assim como garantir a laicidade do Estado. O debate sobre a união civil homoafetiva é um exemplo disso.

Comentários

CBTF disse…
E do aborto também, pq a vida começar na concepção é uma crença exclusivamente religiosa, já que nem embrião e muito menos feto existe nas primeiras semanas de gestação. Então se aqui realmente fosse laico, já era pra ter sido aprovado o aborto faz tempo..

Post mais lidos nos últimos 7 dias

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Padres afirmam que rezam para que papa Francisco vá logo para o céu

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

'Matem todos porque o Senhor conhece aqueles que são seus!' França, 22 de julho de 1209

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião