Pular para o conteúdo principal

Padre afirma que Instituto Federal Catarinense forma 'ateus convictos' e leva jovens ao suicídio

Entidades de educação repudiaram as afirmações irresponsáveis do sacerdote do interior de Santa Catarina


O padre Mateus Réus dos Reis, de Sobrio (SC), criticou o IFC (Instituto Federal Catarinense) porque, segundo ele, os professores estão "propagando o ateísmo", e os jovens que ali estudam se tornam "ateus convictos". As pregações do padre contêm discriminações e intolerância religiosa.

Em uma homilia no dia 10 de setembro na Paróquia São João Paulo II, Reis afirmou que, para tirar Deus da vida de um jovem, basta matriculá-lo no IFC.

“Quantas famílias da nossa paróquia estão sofrendo? Os filhos eram coroinhas, catequistas, iam para as missas, mas foram pro Instituto Federal e viraram ateus.”

O padre não apresentou nenhuma prova de que professores do IFC estariam fazendo proselitismo ateísta.

Em nota, o IFC rejeitou as acusações do padre e o criticou pela irresponsabilidade de aventar que jovens estariam cometendo o suicido devido ao ateísmo. Parentes desses supostos suicidas poderão processar o padre pedindo reparação por dano moral.

O IFC foi criado em 2008 com a integração das escolas agrotécnicas de Concórdia, Rio do Sul e Sombrio e dos colégios agrícolas de Araquari e Camboriú.

O instituto possui 20 unidades em Santa Catarina, 6.100 alunos, 610 docentes e 50 cursos de graduação. Oferece curso técnicos de ensino médio e superior em ciências e tecnologia, como agrícola, agropecuária, agroecologia, eletromecânica, química, informática, edificações e matemática.

"Somos uma instituição que baseia todas as suas ações na disseminação do conhecimento e da educação", diz a nota instituto.

Ressaltando que o Estado é laico, a nota afirma que "é simples perceber que interferir sobre as escolhas religiosas de nossos estudantes não só não nos cabe, também não nos interessa, uma vez que elas nada têm a ver com nossa missão".

O SINTEFB (Sindicato dos Trabalhadores Federal da Educação Básica da Paraíba) emitiu nota de solidariedade ressaltando que a intolerância e o fundamentalismo não passarão".

Para o sindicato, houve um "ataque ao IFC e à liberdade de culto e de crenças, defendidas pelas instituições escolares, assim como, à laicidade da instituição escolar, a qual carrega o dever de formar a juventude com respeito a todas as diferenças".

O Sinasefe (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica), seção Minas Gerais, afirma ser "lamentável que o padre Mateus tenha optado por difundir declarações que, além de infundadas, demonstram profundo preconceito e desinformação".

"Sugerir que o IFC, por meio de seus professores, esteja envolvido na promoção do ateísmo, afastando os jovens da religião e contribuindo para a desintegração das famílias e para o aumento do suicídio, além de ser uma fala irresponsável, se caracteriza como discurso de ódio."

Comentários

CBTF disse…
Provavelmente queria estudar lá, não conseguiu entrar e acabou virando padre, por isso o ódio a instituição.
CBTF, pode ser. E mesmo se entrasse, ficaria "denunciando" lá por não promoverem a religião, e mesmo assim a que ele professa, ou ao menos próxima.
A maioria dos religiosos tem medo da alta qualidade da Educação, em particular onde começa, a Básica. Vão acusar de antireligiosas, mas isso seria legítimo mesmo se o fisessem, pois o direito só se aplica a PESSOA religiosa, NUNCA a religião (sem "escolhas", se aplicam a todas), nem esoterismos, misticismos e outras fés. Mas nem é necesário isso. Basta expor FATOS HISTÓRICOS envolvidos. Assim como nas Ciências não se limitar apenas e propagar as ciências, e sim o Método Científico, Ceticismo e Racionalismo que são a base etc. Filosofia... Mas mesmo sendo feito desse jeito, vão acusar de serem "antireligiosos".
O Ceticimo, que deveria ser a base educacional, é perigoso. Muito perigoso não apenas às religiões, as pseudociêncis e afins. Mas TAMBÉM ao stablishment, ao status quo. Ao PODER. Por isso a forte oposição, por isso não o vemos na Imprensa também. Ou quando há, é o "ceticismo" das conveniências.
Carl Sagan até escreveu a respeito do "Ônus do Ceticismo".

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão