Pular para o conteúdo principal

MP pede fim de palestras sobre a Bíblia em escolas de cidade do Maranhão

Em Pedreiras, lei teocrática institui palestras aos estudantes sobre o livro sagrado dos cristãos


O Ministério Público de Maranhão protocolou no Tribunal de Justiça daquele Estado um pedido de abertura de ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade) contra a lei que institui palestras sobre a Bíblia nas escolas de Pedreiras, cidade de 40 mil habitantes a 245 km de São Luis.

Sancionada em novembro de 2008, a lei cria o "programa obrigatório para a realização educativa sobre ensinamento da Bíblia Sagrada nas atividades dos estabelecimentos de ensino de município de Pedreiras".

O procurador Eduardo Jorge Heluy Nicolau recorreu contra essa lei para garantir a separação entre o Estado e a Igreja — laicidade firmada na Constituição nacional e endossada pelo artigo 141 da Constituição do Maranhão.

Ele citou decisões judiciais em outros Estados que rechaçam a infiltração de grupos religiosos na administração públicas. Argumentou que a lei impugnada de Pedreiras não abre espaço para palestras sobre livros sagrados não cristãos.

Palestras sobre uma única
religião, o cristianismo,
significam manipulação

O procurador destacou o voto em setembro de 2017 do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, sobre o ensino confessional e a pluralidade de crenças, a propósito da ADI 4439.

À época, Moraes afirmou em seu voto que "quem, exemplificadamente, pretender ter um ensino religioso cristão, obrigatoriamente precisará ter acesso à Bíblia, cuja interpretação católica, luterana, calvinista, anglicana, pentecostal não é absolutamente idêntica; caso seja espírita, também precisará extrair ensinamento do Livro dos Espíritos e do Evangelho Segundo o Espiritismo, ambos de Allan Kardec".

Continuou o ministro STF: "Por outro lado, esses textos serão substituídos pelo estudo judaico do Torá; ou pela análise do Corão no islamismo. Se for adepto de uma das religiões de matriz africana, precisará estudar o culto aos orixás, o “jogo de búzios” ou “ifá”, caso adote o Candomblé; ou o estudo dos rituais dos espíritos de Caboclos, Pretos-Velhos, Baianos, Exus, Pombos Gira, caso adote a Umbanda”.

Eduardo Banks — jornalista e militante da laicidade de Estado — foi o autor da representação ao Ministério Público para que Pedreiras respeite a Constituição.

Ele elogiou o procurador pelo rápido encaminhamento da proposta de Ação Direta de Inconstitucionalidade ao Tribunal. Em 12 dias, Nicolau tomou as providências.

"O Procurador Geral de Justiça do Maranhão foi o mais rápido de todos! [os procuradores de outros Estados diante de representação de teor semelhante]", disse Banks.

Com informação de Ministério Público do Maranhão e de outras fontes.

• Eduardo Banks se destaca como ativista em defesa do Estado laico

• Câmaras de pelo menos 26% das cidades do Rio de Janeiro afrontam o Estado laico

• Justiça manda igreja deletar texto com falsidade sobre ateu

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Morre o americano Daniel C. Dennett, filósofo e referência contemporânea do ateísmo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Britney Spears entra na lista de famosos que não acreditam em Deus

Oriente Médio não precisa de mais Deus. Precisa de mais ateus

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Vídeo mostra adolescente 'endemoninhado' no chão. É um culto em escola pública em Caxias

Ignorância, fé religiosa e "ciência" cristã se voltam contra o conhecimento

Prefeito de Sorocaba não acata Justiça e mantém Bíblia em escolas

TJs quase conseguiram que Michael Jackson destruísse Thriller antes do lançamento