Pular para o conteúdo principal

Pesquisa desmente que crentes sejam mais saudáveis que ateus

As pessoas podem ter boa qualidade de vida, independentemente de terem ou não uma religião, constatou cientista canadense


Pesquisa publicada no Journal of Religion and Health revela que ateus e agnósticos são tão saudáveis ​​e satisfeitos com a vida quanto os religiosos, desmentindo a ideia de que religião e espiritualidade têm um efeito mais positivo no bem-estar pessoal.

David Speed, autor do estudo e professor associado da Universidade de New Brunswick, Canadá, testou a hipótese da crença como benefício.

Essa hipótese foi elaborada a partir de um amplo padrão de descobertas que correlacionam positivamente crenças e comportamentos religiosos com resultados de saúde. A maioria desses estudos, no entanto, falhou em incluir não crentes.

A boa saúde depende de
hábitos saudáveis, como
exercícios físicos, e não
de crenças religiosas

"Há 10.000 artigos conectando crença, frequência religiosa, oração, religiosidade, etc., com uma variedade de resultados de saúde”, explicou Speed. “No entanto, há uma escassez de pesquisas abordando os ateus, apesar desta população consistir de milhões de americanos e canadenses.”

Speed ​​usou dados coletados pelo GSS (General Social Survey), banco norte americano de estudos de ciência social, para determinar se a religião estava positivamente conectada com a saúde física e psicológica em uma amostra representativa de canadenses.

A amostra incluiu 455 ateus, 215 agnósticos, 2.080 participantes que se identificaram como não religiosos, 6.205 católicos, 5.685 protestantes, 595 praticantes de religiões orientais e 430 indivíduos que pertenciam a outras religiões.


A pesquisa coletou dados sobre identidade religiosa, com que frequência os participantes rezavam e frequentavam serviços religiosos e quão religiosos eles eram (“Qual a importância de suas crenças religiosas ou espirituais para a maneira como você vive sua vida?”).

O formulário da pesquisa também continha questões onde os participantes avaliavam seu estresse, saúde física, satisfação com a vida e saúde mental.

Na pesquisa, Speed ​​não conseguiu encontrar nenhuma evidência de que pessoas religiosas tinham melhores níveis de saúde física, saúde mental, satisfação com a vida e estresse em comparação com pessoas não religiosas, mesmo após controlar variáveis ​​como idade, sexo, renda familiar, idioma, estado civil, status de minoria, região geográfica e escolaridade.

Speed também ​​descobriu que frequência religiosa, oração e religiosidade não afetaram todos os quatro resultados.

Os resultados permaneceram os mesmos mesmo após comparar os ateus e agnósticos mais não religiosos com os católicos, protestantes e praticantes de religiões orientais e outras religiões mais religiosos.

“A pessoa comum deve ser cética em relação às afirmações de que a religião é inerentemente saudável ou inerentemente promotora da saúde”, disse Speed ​​ao site de psicologia online PsyPost.

“Enquanto algumas pessoas religiosas são indubitavelmente saudáveis, o mesmo pode ser dito de algumas pessoas não religiosas. Quaisquer que sejam as vantagens para a vida que a religião possa (ou não) oferecer, a saúde simplesmente não é uma delas.”

“Já publiquei bastante neste campo, então minhas descobertas não foram particularmente surpreendentes para mim”, acrescentou Speed.
 

“Mas minhas descobertas vão contra uma enorme literatura que exalta os benefícios da religião para a saúde. Meu programa de pesquisa mostra regularmente que há poucos (se houver) benefícios de saúde para a religião. Isso pode surpreender os indivíduos que estão apenas vagamente familiarizados com o campo.”

O estudo de Speed ​​concordava com pesquisas semelhantes anteriores que entrevistaram 15.000 americanos. No entanto, o novo estudo teve algumas limitações, como acontece com a maioria das pesquisas, uma vez que o General Social Survey não tinha dados sobre dois fatores críticos: apoio social e personalidade.

“Pesquisas que abordam religião e saúde são quase sempre correlacionais. Isso significa que não podemos descobrir se a religião está realmente causando diferenças na saúde”, explicou Speed.

> Com informação de Journal of Religion and Health, PsyPost e outras fontes.

Comentários

MetalWe disse…
Comparação ridicúla. A cada uma hora alguém pula da ponte nesse país, se quer saber quem é quem, verifica qual a orientação existencial do ex-vivente.
Alex B disse…
Finalmente alguém resolveu encarar e tentar pulverizar esse mito ridículo!

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m