Documentário mostra impacto do fanatismo religioso na saúde da mulher


Filmagem conta
 caso da brasileira
que teve de fazer
 aborto na Colômbia

A organização CDD (Católicas pelo Direito de Decidir) lança hoje (28/05) um mini documentário [ver abaixo] em celebração ao Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher.

Nele, Jefferson Drezett (ginecologista) e Rosângela Talib (coordenadora de CDD) falam sobre aborto e os impactos do fundamentalismo religioso na saúde das mulheres.

O documentário também conta a história de Rebeca Mendes, que teve uma gravidez indesejada em 2017 e decidiu não prosseguir com a gestação.

Estudante e mãe de dois filhos, ela teve o pedido judicial de aborto negado pelo STF, em ação encabeçada pela Anis – Instituto de Bioética.

A jovem conseguiu realizar a interrupção da gravidez na Colômbia, que desde 2006 permite o aborto em algumas situações.



Com informação e texto da ong Católicas pelo Direito de Decidir.


Uma a cada cinco brasileiras já fez aborto, mostra pesquisa

83% dos ateus não apoiam a punição de mulher por aborto




Mulher que fizer aborto tem de ser presa, defendem evangélicos


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.


Comentários

Busca neste site