Pular para o conteúdo principal

Secularização orgânica que ocorre nos Estados Unidos é força progressista do bem

PHIL ZUCKERMAN    A secularização da sociedade dos Estados Unidos — o declínio da fé, prática e filiação religiosas — continua em um ritmo dramático e sem precedentes históricos. Embora muitos possam considerar tal desenvolvimento como motivo de preocupação, tal preocupação não se justifica. Essa crescente secularização na América é, na verdade, uma coisa boa, para ser bem recebida e abraçada.

As sociedades democráticas que experimentaram os maiores graus de secularização estão entre as mais saudáveis, ricas e seguras do mundo, desfrutando de índices relativamente baixos de crimes violentos e altos níveis de bem-estar e felicidade. Claramente, uma perda rápida da religião não resulta em ruína social.

Pela primeira vez desde que o Gallup começou a rastrear os números em 1937, os americanos que são membros de uma igreja, sinagoga ou mesquita não são a maioria, de acordo com um relatório do Gallup divulgado esta semana. Compare os atuais 47% com 1945, quando mais de 75% dos americanos pertenciam a uma congregação religiosa.

Este declínio na afiliação religiosa se alinha de perto com muitas tendências de secularização semelhantes. Por exemplo, no início dos anos 1970, apenas um em cada 20 americanos alegava "nenhuma" como sua religião, mas hoje está mais perto de um em cada três.

No mesmo período, a frequência semanal à igreja diminuiu e a porcentagem de americanos que nunca frequentaram serviços religiosos aumentou de 9% para 30%.

Em 1976, quase 40% dos americanos disseram acreditar que a Bíblia era a verdadeira palavra de Deus, que deve ser interpretada literalmente. Hoje, apenas cerca de um quarto dos americanos acredita que, com um pouco mais de decreto, a Bíblia é simplesmente uma coleção de fábulas, histórias e contos morais escritos por homens. E a porcentagem de americanos que acreditam com segurança na existência de Deus, sem dúvida, diminuiu de 63% em 1990 para 53% hoje.

Temores de que esse aumento da irreligião possa resultar na deterioração da fibra moral de nossa nação — e ameaçar nossas liberdades e liberdades — são compreensíveis.

Essas preocupações têm mérito histórico: a ex-União Soviética era um país comunista profundamente enraizado no ateísmo e foi um dos regimes mais corruptos e sangrentos do século XX. Outros regimes autoritários ateus, como a ex-Albânia e o Camboja, eram igualmente tortuosos e cruéis.

Mas o problema é o seguinte — todas essas ditaduras sem Deus que tentaram destruir a religião à força, perseguindo os fiéis, oprimindo ativamente as instituições religiosas e criando um culto demagógico com seus governantes brutamontes. Essa secularização coerciva é, de fato, algo a temer.

No entanto, existe outro tipo alternativo de secularização, aquele que surge organicamente, em meio a sociedades livres e abertas onde os direitos humanos, incluindo a liberdade religiosa, são defendidos e respeitados.

Muitas sociedades se qualificam para este rótulo — incluindo aquelas no Japão, Escandinávia, Reino Unido, República Tcheca, Austrália, Canadá e Uruguai, entre muitos outros.

Nesses lugares, a religião não é ativamente reprimida, nem os governos promovem a secularização. E, no entanto, ocorre simplesmente porque as pessoas que vivem nessas sociedades perdem o interesse em todo o empreendimento religioso.

A secularização orgânica pode ocorrer por vários motivos. Acontece quando os membros de uma sociedade se tornam mais educados, mais prósperos e vivem vidas mais seguras, protegidas e pacíficas; quando as sociedades experimentam aumentos no isolamento social; quando as pessoas têm melhores cuidados de saúde; quando mais mulheres têm empregos remunerados; quando mais pessoas esperam mais para se casar e ter filhos. Tudo isso, especialmente em combinação, pode diminuir a religiosidade.

Outro fator importante é a onipresença da internet, que fornece janelas abertas para visões de mundo alternativas e diferentes culturas que podem corroer a convicção religiosa — e permite que os céticos em ascensão e os livres-pensadores nascentes se encontrem, apoiem e encorajem uns aos outros.

Nos Estados Unidos, esses fatores são agravados por fortes reações contra a direita religiosa, a aliança evangélico-republicana, a agenda anti-gay da religião conservadora e os escândalos de abuso sexual da Igreja Católica. Isso resultou em “os ventos da secularização ... girando como nunca antes”, disse recentemente Ryan P. Burge, um cientista político.

Deixando de lado o medo do autoritarismo ateísta, alguns podem se preocupar com o desaparecimento das organizações religiosas por fazerem tanto bem. Eles se envolvem em uma enorme quantidade de trabalho de caridade que inclui a realização de campanhas de alimentos e a instalação de cozinhas populares e abrigos para moradores de rua. No entanto, essa caridade bem-vinda é, em última análise, uma resposta altruísta aos sintomas, não uma cura estrutural para as causas profundas.

É por isso que democracias altamente seculares fazem um trabalho muito melhor na redução da pobreza e dos sem-teto, empregando soluções decididamente seculares, como responder com políticas sociais racionais e estratégias econômicas sábias, e estabelecer instituições mais responsivas. Moradia a preços acessíveis e assistência médica subsidiada fazem um trabalho muito melhor em aliviar o sofrimento dos pobres e doentes do que instituições de caridade baseadas na fé.

A secularidade está altamente correlacionada com uma série de orientações morais que irão melhorar significativamente nossa nação. Por exemplo, pessoas seculares — quando comparadas a seus pares religiosos — são muito mais propensas a entender e respeitar o método científico, o que resulta em sua maior disposição para se vacinar, por exemplo, e aderir a recomendações de saúde com base empírica, uma orientação racional que salva vidas.

Pessoas seculares também são mais favoráveis de educação sexual, o que reduz a gravidez indesejada e doenças sexualmente transmissíveis.

A pesquisa mostra que as pessoas seculares são mais propensas a apoiar os direitos reprodutivos das mulheres , saúde universal, direitos dos homossexuais, proteção ambiental, morte com dignidade, legislação de segurança de armas e tratamento do abuso de drogas como um problema médico em vez de criminal — tudo o que servirá para aumentar a dignidade, liberdade e bem-estar na América.

A secularização orgânica que estamos experimentando nos Estados Unidos é uma força progressiva para o bem, associada a melhores direitos humanos, mais proteções para o planeta Terra e uma maior propensão sociocultural para tornar esta vida o mais justa e justa possível — no aqui e agora — ao invés de uma recompensa celestial em que cada vez menos acreditamos.

> Esse texto foi publicado originalmente no Los Angeles Times com o título Op-Ed: Why America’s record godlessness is good news for the nation.  Phil Zuckerman é reitor associado do Pitzer College e autor de Society Without God: What the Least Religious Nations Can Tell Us about Contentment.

Moral vem da evolução, não de Deus, diz livro de Phil Zuckerman 



Movimento ateísta é forte entre judeus dos Estados Unidos


Comentários

  1. Enquanto isso no Brasil o STF libera cultos presenciais em plena pandemia batendo os 4 mil mortos por dia.

    ResponderExcluir
  2. Dessas "filantropias" de igrejas / religiosos, sim, há as raras excessões, em particular por pessoas bondosas independente da religião, mas a maioria destas é apenas demagogia. Basicamente as religiões causam problemas muito maiores, para depois grupos destas aparecerem como "salvadores".
    "Enalteça o minúsculo lado bom. Minimalize ou mesmo suprima o enorme lado ruim. Culpe os outros pelo mal." Essa é a lógica básica de quase todas as religiões / igrejas, e a maioria dos políticos...
    Só faltou que nos países Socialistas / "Comunistas" o que ocorreu é a substituição, como lembrado foi à força, da religião "padrão", pela "religião" do ideal politico, inclusive com vertentes: Stalinismo, Maoísmo etc. Muitos utilizam isso como se Ateísmo fosse "o mal" ou "a causa", mas na verdade são os ideais políticos como "religiões". Afinal, tais ideais também são bem irracionais, com muitas coisas nada factíveis, mas que os adeptos acreditavam ser possíveis, mesmo à força.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Juiz condena Datena a pagar indenização por ofender ateus

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber