Pular para o conteúdo principal

Pesquisadores da USP encontram coronavírus na gengiva de mortos por Covid-19

O  SARS-CoV-2 não

apenas entra pela boca e dela sai. Ele se aloja nas gengivas. Foi o que detectaram, pela primeira vez, pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). 

Assim, foi  captada a  presença do novo coronavírus  no tecido periodontal de pacientes com Covid-19 que faleceram  por causa da infecção.

O porta-voz do coronavírus 
Montagem: www.paulopes.com.br   


Durante um procedimento de autópsia minimamente invasiva, eles realizaram biópsias de pacientes diagnosticados com Covid-19 que morreram no Hospital das Clínicas da FMUSP e observaram, por meio de análises por RT-PCR (detecção de sequências únicas de RNA viral), histopatológicas, a presença do novo coronavírus nas gengivas.

Autópsia perigosa 

Para o  estudo detalhado,  é necessário fazer uma autópsia do cadáver, mas os riscos de contaminação ao abrirem o corpo da pessoa que faleceu por conta de Covid-19 são altíssimos, visto o contato com diversas secreções. 

Por essa razão, as autópsias em pacientes com Covid-19 são feitas na Plataforma de Imagem na Sala de Autópsia (Pisa), que fica na FMUSP, onde está  instalado o único equipamento de Ressonância Magnética (RM) de ultra alto-campo da América Latina e outros equipamentos de alta precisão. 

A Pisa  utiliza método menos invasivo, e muito mais seguro do que a autópsia tradicional, que foi desenvolvido entre 2016 e 2017 durante o surto de Febre Amarela:  o corpo já vem embalado no saco plástico, com local para incisão de pequenas agulhas, procurado  perfurar o mínimo possível ao retirar tecidos para análise. 

Coronavírus na saliva 

Os resultados do estudo da presença o noco coronavírus nas gengivas teve apoio da  Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) foram publicados no Journal of Oral Microbiology.

As descobertas contribuem para desvendar uma das possíveis fontes do novo coronavírus na saliva de pacientes com COVID-19, sublinham os autores do estudo.

“A presença do SARS-CoV-2 no tecido periodontal pode ser um dos fatores que contribuem para a presença desse vírus na saliva de pacientes infectados e demonstra que as origens do novo coronavírus em gotículas salivares não são somente as vias respiratórias”, disse  à agência noticiosa da  FAPESP Bruno Fernandes Matuck, um dos doutores cirurgiões-dentistas que  participaram da pesquisa. 

HSV + EBV + HCMV + SARS-CoV-2

Antes do surgimento do SARS-CoV-2, outros poucos vírus  —  como da herpes simples (HSV), o Eptein-Barr (EBV) e o citomegalovírus humano (HCMV) —  já  haviam sido detectados em tecidos gengivais. 

As possíveis fontes de infecção podem ser as células epiteliais da gengiva, expostas à cavidade oral, e a migração desses vírus pela corrente sanguínea.

Em razão da alta infecciosidade do SARS-CoV-2 em comparação com outros vírus respiratórios, os pesquisadores levantaram a hipótese de que o novo coronavírus poderia se replicar já na cavidade bucal e, dessa forma, aparecer na saliva. 

Com Agência Fapesp e Journal of Oral Microbiology

Bolsonaro paga R$ 23 mil a Influenciadores para divulgar 'atendimento precoce' contra Covid-19







Comentários

Posts mais acessados na semana

Associação Humanista Americana retira prêmio de Dawkins por ele questionar pessoas trans

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Governo de Angola suspende as transmissões da TV Record