Pular para o conteúdo principal

Pesquisadores da USP encontram coronavírus na gengiva de mortos por Covid-19

O  SARS-CoV-2 não

apenas entra pela boca e dela sai. Ele se aloja nas gengivas. Foi o que detectaram, pela primeira vez, pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). 

Assim, foi  captada a  presença do novo coronavírus  no tecido periodontal de pacientes com Covid-19 que faleceram  por causa da infecção.

Durante um procedimento de autópsia minimamente invasiva, eles realizaram biópsias de pacientes diagnosticados com Covid-19 que morreram no Hospital das Clínicas da FMUSP e observaram, por meio de análises por RT-PCR (detecção de sequências únicas de RNA viral), histopatológicas, a presença do novo coronavírus nas gengivas.

Autópsia perigosa 

Para o  estudo detalhado,  é necessário fazer uma autópsia do cadáver, mas os riscos de contaminação ao abrirem o corpo da pessoa que faleceu por conta de Covid-19 são altíssimos, visto o contato com diversas secreções. 

Por essa razão, as autópsias em pacientes com Covid-19 são feitas na Plataforma de Imagem na Sala de Autópsia (Pisa), que fica na FMUSP, onde está  instalado o único equipamento de Ressonância Magnética (RM) de ultra alto-campo da América Latina e outros equipamentos de alta precisão. 

A Pisa  utiliza método menos invasivo, e muito mais seguro do que a autópsia tradicional, que foi desenvolvido entre 2016 e 2017 durante o surto de Febre Amarela:  o corpo já vem embalado no saco plástico, com local para incisão de pequenas agulhas, procurado  perfurar o mínimo possível ao retirar tecidos para análise. 

Coronavírus na saliva 

Os resultados do estudo da presença o noco coronavírus nas gengivas teve apoio da  Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) foram publicados no Journal of Oral Microbiology.

As descobertas contribuem para desvendar uma das possíveis fontes do novo coronavírus na saliva de pacientes com COVID-19, sublinham os autores do estudo.

“A presença do SARS-CoV-2 no tecido periodontal pode ser um dos fatores que contribuem para a presença desse vírus na saliva de pacientes infectados e demonstra que as origens do novo coronavírus em gotículas salivares não são somente as vias respiratórias”, disse  à agência noticiosa da  FAPESP Bruno Fernandes Matuck, um dos doutores cirurgiões-dentistas que  participaram da pesquisa. 

HSV + EBV + HCMV + SARS-CoV-2

Antes do surgimento do SARS-CoV-2, outros poucos vírus  —  como da herpes simples (HSV), o Eptein-Barr (EBV) e o citomegalovírus humano (HCMV) —  já  haviam sido detectados em tecidos gengivais. 

As possíveis fontes de infecção podem ser as células epiteliais da gengiva, expostas à cavidade oral, e a migração desses vírus pela corrente sanguínea.

Em razão da alta infecciosidade do SARS-CoV-2 em comparação com outros vírus respiratórios, os pesquisadores levantaram a hipótese de que o novo coronavírus poderia se replicar já na cavidade bucal e, dessa forma, aparecer na saliva. 

Com Agência Fapesp e Journal of Oral Microbiology

Bolsonaro paga R$ 23 mil a Influenciadores para divulgar 'atendimento precoce' contra Covid-19







Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios