Pular para o conteúdo principal

Malafaia continua postando fake news, agora de invasão de supermercado. Até quando?

PAULO LOPES    O pastor bolsonarista Silas Malafaia continua postando impunimente fake news sobre a pandemia do coronavírus, não se detendo nem mesmo neste momento em que o número de óbitos chega a 300 mil no Brasil.

Seguido por milhares de pessoas, o líder evangélico postou no sábado (20) imagens de um saque a supermercado de 2012 como se tivesse ocorrido agora, por causa das restrições do funcionamento do comércio para controlar o contágio do coronavírus.

Pela fake news do pastor, o saque ocorreu em Salvador — estado governado por Rui Costa dos Santos, um petista, portanto inimigo mortal de Malafaia e seu Messias, o Bolsonaro.

O estridente pastor é integrante informal do Gabinete do Ódio de Presidente.

O religioso defende o uso de medicamentos sem comprovação científica contra a Covid-19 e tem celebrado cultos com aglomeração de pessoas, com agradecimenos do corona.

Qualquer pessoa bem intencionada poderia ter evitado publicar as imagens do saque como sendo atuais se fizesse uma simples pesquisa do Google, onde há link sobre a invasão a uma loja do Big há 9 anos,

O pastor deletou o vídeo, mas cópias deles continuam circulando pela internet. Malafaia sabia que isso ia ocorrer. É como jogar uma bomba e esconder a mão, para não ser responsabilizado.

A pandemia encontra-se em rápida evolução. Como a vacinação é lenta, muitas pessoas vão morrer antes que receba uma dose do imunizante. Brasil pode os 500 mil mortos em pouco tempo, antes do final de 2021.

Paralelamente, se agrava a crise econômica, e muitas pessoas estão desesperadas por não ter o que comer. 

Pode até haver, sim, ataques a supermercados, principalmente quando um líder religioso atiça seus fiéis a isso. O momento é de serenidade, e o governo tem de prover os mais pobres.

A impressão que se tem é que Malafaia aposta no quanto pior é melhor porque, se houver revolta popular, Bolsonaro terá um pretexto para impor no país um Estado de sítio, abrindo caminho para um golpe.

Não se trata de uma teoria da conspiração, porque Malafaia e Bolsonaro têm defendido com frequência a intervenção das Forças Armadas na política, como se o país estivesse no longínquo ano de 1964.

Por isso e para poupar vida, é preciso haver um basta às fake news do Malafaia. Ele já foi longe demais.

O que o Ministério Público e a Justiça estão esperando para agir. Que as mortes cheguem a 1 milhão?



> Com informação da agência de checagem de notícias Aos Fatos.


Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Evangélicos quebram imagens de umbanda no Rio

por Denise Menchen , da Folha Quatro integrantes da igreja evangélica Nova Geração de Jesus Cristo foram presos, acusados de invadir ontem à noite um centro de umbanda no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, e quebrar cerca de 30 imagens religiosas, prateleiras e um ventilador (foto). O caso foi registrado na 9ª DP (Catete). Segundo uma das dirigentes do Centro Espírita Cruz de Oxalá, a advogada Cristina Maria Costa Moreira, 45, cerca de 50 pessoas aguardavam em fila a abertura do atendimento ao público, às 19h, quando Alessandro Brás Cabral dos Santos, Afonso Henrique Alves Lobato, Raimundo Nonato e uma jovem identificada apenas como Dominique chegaram ao local. De acordo com Moreira, eles ofenderam os presentes e forçaram a entrada na casa. "Eles chegaram dizendo que queriam ver onde estava o demônio e foram direto para o terreiro", conta Celso Quadros, 52, outro dirigente do centro espírita. "Quebraram tudo, inclusive imagens que temos há 40 anos". A a

Bento 16 associa união homossexual ao ateísmo

Papa passou a falar em "antropologia de fundo ateu" O papa Bento 16 (na caricatura) voltou, neste sábado (19), a criticar a união entre pessoas do mesmo sexo, e, desta vez, associou-a ao ateísmo. Ele disse que a teoria do gênero é “uma antropologia de fundo ateu”. Por essa teoria, a identidade sexual é uma construção da educação e meio ambiente, não sendo, portanto, determinada por diferenças genéticas. A referência do papa ao ateísmo soa forçada, porque muitos descrentes costumam afirmar que eles apenas não acreditam em divindades, não se podendo a priori se inferir nada mais deles além disso. Durante um encontro com católicos de diversos países, Bento 16 disse que os “cristãos devem dizer ‘não’ à teoria do gênero, e ‘sim’ à aliança entre homens e mulheres no casamento”. Afirmou que a Igreja defende a “dignidade e beleza do casamento” e não aceita “certas filosofias, como a do gênero, uma vez que a reciprocidade entre homens e mulheres é uma expressão da bel

Xuxa pede mobilização contra o 'monstro' Marco Feliciano

Pela primeira vez a apresentadora se envolve em uma polêmica A apresentadora da Rede Globo Xuxa (foto) afirmou em sua página no Facebook que o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não é “um religioso, é um monstro”. Sem citar o nome de Feliciano, ela ficou indignada ao ler que “esse deputado disse que negros, aidéticos e homossexuais não têm alma”. “Vamos fazer alguma coisa! Em nome de Deus, ele não pode ter poder.” É a primeira vez que Xuxa pede mobilização de seus fãs em uma questão polêmica. Amiga do padre Marcelo Rossi, ela é católica praticante. No Facebook, em seu desabafo, escreveu sete vezes a palavra "Deus" e argumentou que todos sabem que ela respeita todas as religiões. A apresentadora também se mostrou abalada ao saber que Feliciano, durante uma pregação, pediu a senha do cartão bancário de um fiel. “O que é isso, meu povo?” “Essa pessoa não pode ser presidente da C