Pular para o conteúdo principal

Testemunhas de Jeová vão a julgamento na Bélgica por incitarem ódio a ex-fiéis

A Justiça Criminal da cidade de Ghent (ou Gante), da Bélgica, começa a julgar no dia 16 de fevereiro as Testemunhas de Jeová sob a acusação da promotoria pública de discriminação a ex-fiéis e a grupos e por incitar ódio ou violência.

No caso de condenação, haverá um precedente que poderá influenciar tribunais de outros países, porque em todo o mundo há reclamação de ex-seguidores de que a religião incentiva que sejam colocados no ostracismo, até mesmo por parte de familiares, como pais e filhos.

A Justiça de Ghent foi acionada por Patrick Haek, que foi ancião (pastor) por 35 anos. A investigação do caso durou cinco anos.

Haek diz ter sido expulso por denunciar na congregação um abuso sexual, que não foi levado ao conhecimento das autoridades.

Desde então ele passou a ser considerado como se não existisse.

“Dos níveis mais altos da organização vem a ordem de que ninguém tem permissão para falar com você, nem mesmo sua própria família. Eles declaram que essa pessoa deve ser evitada porque tem uma doença mental contagiosa”, diz.

Outros ex-fiéis se juntaram a Haek na acusação, como Cecile Temmerman. Ela afirma conhecer centenas de membros da religião e que eles a visitam com frequência, até que fosse expulsa.

“De um dia para o outro, todos viraram as costas para mim. Em uma reunião, todos foram avisados ​​de que a minha família estava nas mãos de Satanás”, diz.

“Eu literalmente não tinha mais ninguém na minha vida. As Testemunhas de Jeová certificam-se de que você não tenha nenhum contato social fora da organização, incluindo a família. Mesmo meu melhor amigo não quis falar mais comigo. Afundei em depressão.”

Ao menos na Bélgica, é a primeira vez que as TJs são levadas a um tribunal criminal, não civil.

Haeck levanta uma questão: “Como é possível que uma comunidade religiosa cometa um crime sob o pretexto da liberdade de religião?”

Confiante na condenação, ele espera que o julgamento sirva como um alerta não só para as Testemunhas de Jeová, mas para todos os grupos de fundamentalistas religiosos.

"Há uma separação estrita entre Igreja e Estado. Agora que há mais atenção sendo dada ao extremismo religioso, temos que nos perguntar onde traçamos a linha, em que ponto o estado deve se envolver para acabar com injustiças.”




Comentários

  1. Gostaria de fazer uma ressalva em base na denúncia do ancião Patrick, pois ele está correto em denunciar um abuso sexual, esse ato grotesco jamais deve ficar em pune. Isso em qualquer religião. Não pertenço a religião TJ, mas também sei que eles excluem alguém do meio cotidiano deles, baseado no livro de Lucas 15: 11-32 Filho pródigo. É feito a desassociação caso o TJ batizado conhecedor das leis que se "intitulam" na palavra de Jeová não as sigam fielmente. Por exemplo, uma pessoa casada não pode mais se relacionar intimamente com outra até se casar novamente, tido como fornicação. Mas isso não é apenas as TJ que fazem, outras religiões também não aceitam a fornicação, porém não os excluem do seu convívio cotidiano, ai está a diferença.
    Acredito apenas não ser verdade a questão que ele cita “ Eles declaram que essa pessoa deve ser evitada porque tem uma doença mental contagiosa”, diz. Na realidade eles alegam que, a desassociação se deve a algo relacionado a algo do tipo que vai de desencontro com o que eles acreditam na organização.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talita, para sua informação: a revista das Testemunhas de Jeová na Grã-Bretanha, edição de julho de 2011, diz com todas as palavras que os ex-fiéis são doentes mentais contagiosos. Leia este link: https://www.paulopes.com.br/2011/09/revista-das-testemunhas-de-jeova-diz.html

      Excluir
  2. Ai chega um TJegue aqui dizendo "Ainnnn ... isso eh mentira ... qdo o sujeito sai da seita de malucos .. nao quer dizer que a familia tem que se afastar dele" .. Claro ... Com certeza isso
    eh o que acontece , como na Belgica !!! .. Agora TJeguezinho ... Que ja cumpriu com sua cota de face palm .. pode ir embora.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão da desassociação já foi levada aos supremos tribunais de vários países, tais como Argentina, Hungria, Irlanda, Itália, Peru, Polónia e Estados Unidos. Todos decidiram a favor das Testemunhas de Jeová. De facto, segundo os princípios da democracia, cabe a cada religião decidir quem se qualifica como membro. De qualquer forma, quem se torna Testemunha de Jeová sabe antecipadamente o que lhe vai acontecer caso abandone a sua fé. Logo, quando abandona, está a colher aquilo que ele próprio semeou.

      Excluir
    2. Isso eu concordo com você ... se eu vou numa boca de fumo na favela .. posso muito bem esperar que ocorra um tiroteio ... Mas o que deixa a gente boquiaberto com essa turma de lunáticos é sua hipocrisia .. OK OK ... vc antes de entrar já sabia .. Mas veja só .. essa gente vive na lua ??não sai na rua pra comprar coisas??? Não negocia ou trabalha junto de pessoas não TJ ? Nao convivem em escolas etc ??? Ai só porque o sujeito sai ... passa a ser um proscrito ??? E outra .. o dels fantasioso deles não fala que existe o tal do "livre arbítrio" ? Eu entrei .. agora quero sair ... "OK ... se mudar de ideia vc sempre será benvindo" ... Isso é livre arbítrio ... E se eles não respeitam o principio mais defendido pelos cristãos .. então não podemos chama-los de cristãos... mas de seita de malucos ...

      Excluir
  3. Passou da hora de banir essa seita destruidora de famílias daqui do Brasil também.

    ResponderExcluir
  4. As Testemunhas de Jeová a incitar ódio? Só pode ser uma piada. É fácil perceber quem incita ódio. Não é, senhor Paulopes? ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deveria esturar mais antes de dizer besteiras.
      A quase totalidade das religiões prega o "amor", sim, mas mero apelo sentimentalista, sem racionalidade. Logo carregado de valores dos respectivos ideais CRÉDULOS. Somente hétero-cis, ateu nem pensar etc.

      Excluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

No Brasil, mulher que não crê em Deus é submetida à opressão em dobro

Cobrado por aluguel de templo, Valdemiro diz não ter contrato social com a Igreja Mundial

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade