Pular para o conteúdo principal

Como de Testemunha de Jeová me tornei ateu e fiquei livre do senso de manada

DAVI MENDONÇA  Fui criado como cristão, testemunha de Jeová. Antes dos vinte anos já tinha lido a Bíblia inteira, e sabia de cor muitos trechos bíblicos, até hoje ainda sei.

Aos vinte e poucos anos me afastei das testemunhas de Jeová, mas ainda considerava lá a única religião verdadeira. Aos poucos fui lendo livros e artigos que antes me eram proibidos, e isso, claro, me causava muito incomodo.

As trinta anos me aventurei em diversas religiões, igrejas evangélicas, adventistas e a tão temida por mim antes, os espíritas.

A coisa começou a mudar quando em contato com um teólogo, que me orientou a estudar a história de Roma, e como Constantino e seu clero fundaram a igreja católica e "inventaram" o personagem Jesus.

Imagine minha decepção ao descobrir que aquele Jesus dos evangelhos nunca existiu, confesso que fiquei uma semana em choque.

Esse teólogo, assim como pastores e padres que tive conversas francas, me disseram que muito do que eles ofereciam ao povo, eles mesmos não acreditavam. Estórias como a de Noé, Jonas, Mar Vermelho, para quem tem senso crítico não faz o menor sentido, mas eles me explicaram que o povo precisa dessas ilusões.

Isso me chocou muito. Mas como eles me disseram, bom vendedores não consomem dos produtos que oferecem, como ilusionistas, encantam o público com os seus truques, e os mantém cativos.

Livros como Deus é um Delírio, o Mundo de Sofia, entre outros, me ajudaram muito.

Bem, mas o toque final veio no meio ambiente de trabalho, trabalho em hospitais, enfermagem, e via muito sofrimento, e via também muita sinceridade nos clamores e orações dos pacientes. E isso de NADA ADIANTAVA.

Altas e óbitos aconteciam por causalidade e não suposta fé. Eu percebia que aquilo era só uma forma de se confortar, mas não tinha sentido prático nenhum. Deus não era garantia de nada, diferente de um plano de saúde ou seguro de vida.

O que me incomodava muito era a morte de crianças, num plantão estava aquela criança linda, por vezes sorridente em meio a soros e medicações, e no outro plantão já não estava, tinha ido a óbito.

A figura de deus de amor, que se importa, onipresente, onipotente e onisciente foi se diluindo, até hoje penso que, se existe um deus, ele é um grande FDP, e deve muitas desculpas a humanidade, se ele "é" todo poderoso, seria sádico e repugnante.

Confesso que foi um alívio tirar o peso do nome cristão das costas, afinal essa instituição tem muito sangue nas mãos, e, por fim, um alívio maior se livrar do amigo imaginário da vida adulta, Deus. Me sinto livre do senso comum, da manada.

"Se existe um deus,
ele é um grande FDP"

Esse texto e a foto foram publicados originalmente no Facebook.


Comentários

Deborah Andrade disse…
Parabéns pela jornada, pois é muito difícil se livrar da doutrina Testemunha de Jeová. Tenho uma história parecida, nasci e fui criada como TJ, abandonei na adolescência, passei a frequentar a igreja católica, depois evangélica e depois de muitos questionamentos e conflitos internos, fui desconstruindo a figura de deus até me tornar atéia convicta. Sou muito mais feliz e me sinto verdadeiramente livre hoje.
Anônimo disse…
Parabéns, Davi. Parabéns, Deborah.
Leandro disse…
Que bom que você se libertou. Parabéns!!



K disse…
O caminho pode ser feito nas duas direções:

https://www.jw.org/pt/biblioteca/livros/anuario-de-2015/historia/ex-ateu-serve-a-deus/

https://www.jw.org/pt-pt/biblioteca/revistas/wp201709/eu-nao-acreditava-que-deus-existia/

https://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/102010404
Anônimo disse…
O único Deus que deve ser venerado é o planeta que vivemos, é somente a partir dele q conseguimos sobreviver.
Ex-ateu porque não aprendeu a ter discernimento cético. Muitas pessoas abandonam a religião tradicional e se apegam a tal "Nova Era" em suas diversas modalidades, pseudociências etc, podendo até ser ateus, crentes em outras coisas. O DESEJO de simlesmente acreditar, com fé. Há outras pessoas que se apegam em sistemas político-ideológicos, p.ex.. Esse desejo da fé...
Ateismo deve ser blindado com Ceticismo e Racionalismo. Com esses dois, se fundamente soliudamente o Ateísmo. E quem é cético / racionalista em tudo, não só acaba sendo ateu, como repudia crenças diversas, inclusive os apegos em sistemas políticos-ideológicos etc.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch