Pular para o conteúdo principal

Novo catálogo da Via Láctea contém 1,8 bilhão de estrelas e as suas trajetórias

Jornal da USP       Uma equipe da Agência Espacial Europeia (ESA, em inglês) disponibilizou ao público no dia 3 de dezembro de 2020 dados do mais detalhado catálogo de estrelas da Via Láctea já feito (foto e vídeo abaixo).

O terceiro release de dados, chamado EDR3 (Early Third Data Release), baseia-se nos 34 primeiros meses de observação, realizados entre julho de 2014 e maio de 2017, e inclui posições e brilhos de mais de 1,8 bilhão de estrelas, além de movimentos, distâncias e cores de 1,5 bilhão delas. Isso significa um aumento de mais de 100 milhões de fontes em relação ao release anterior, o Gaia DR2, publicado em abril de 2018.

A medida ótica de aceleração do sistema solar em torno do centro da galáxia, baseada em 1,6 bilhão de quasares (mais distantes e brilhantes astros do Universo) também está disponível. Também foram publicadas informações sobre as nossas galáxias “vizinhas”.

1,8 bilhão de estrelas observadas
pelo Gaia – soma dos fluxos de
milhares de estrelas por pixel

“Até a década de 1960, vizinhança solar significava para nós uma esfera centrada no Sol com 30 anos-luz de raio e aproximadamente 400 estrelas com distâncias conhecidas”, explica o professor Ramachrisna Teixeira.

“No final da década de 1990, esse número saltou para um raio de 80 anos-luz e 5,5 mil estrelas e, agora, temos mais de 300 mil, 92% delas em um raio de 330 anos-luz.”

Com os dados mais recentes do Gaia, foi possível rastrear as várias populações de estrelas – velhas e jovens – presentes nos limites da Via Láctea.

A nova leva de informação do “anticentro galáctico”, como também é conhecido, permitiu observar as relíquias do antigo disco de 10 bilhões de anos e compará-lo ao tamanho atual do disco da nossa galáxia.

Os modelos computacionais previram que o disco da Via Láctea pode crescer com o tempo, à medida que novas estrelas forem nascendo.

As aferições reforçaram as evidências da quase colisão entre a nossa e a galáxia anã de Sagitário. Os dados das regiões mais externas do disco mostram que há estrelas que se movem lentamente acima do plano da Via Láctea e se dirigem para baixo, enquanto outras se movem rapidamente abaixo do plano e seguem para cima.

A galáxia anã de Sagitário possui algumas dezenas de milhões de estrelas e está atualmente sendo canibalizada pela Via Láctea.

A base de dados traz novos conhecimentos sobre as Nuvens de Magalhães – duas galáxias que orbitam a Via Láctea. A medição mais precisa do movimento das estrelas da Grande Nuvem mostra que ela tem uma estrutura espiral. Já a análise da Pequena Nuvem mostra um fluxo de estrelas sendo puxado para fora, indicando a existência de estruturas nunca observadas.

 

Com foto de ESA/Gaia/DPAC.

Comentários

Posts mais acessados na semana

Dona Religião é casada com sr. Atraso e têm vários filhos

Igreja Católica da Alemanha admite que freiras forneciam crianças a padres pedófilos

Bolsonaro compra a novela 'Os dez mandamentos' da Record para a TV Brasil

Papa Francisco confirma que lugar da mulher na Igreja é na cozinha

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade