Pular para o conteúdo principal

Novo algoritmo descobre 50 planetas fora de nosso sistema solar

Luigi Bignami / Business Insider   Até o momento, foram descobertos mais de 4.200 planetas que estão localizados fora de nosso sistema solar, que giram em torno de estrelas de 3200 sistemas planetários. E seu número está sempre sendo atualizado. 

Encontrá-los não é simples, pois o uso do sistema mais popular, denominado "método de trânsito", ou seja, aquele que aguarda o enfraquecimento da luz de uma estrela distante devido à passagem de um planeta, leva tempo. 

Às vezes dias, se o planeta leva tão pouco para girar em torno de sua estrela, mas outras vezes anos, senão décadas, se o planeta tem órbitas muito distantes de sua estrela, como as de Júpiter ou Urano. 

Um único enfraquecimento da luz não é suficiente – simplificando, um eclipse – para garantir a descoberta de um novo planeta, mas são necessários pelo menos dois.

É por isso que para a continuação dessa pesquisa é muito bem-vinda a possibilidade de substituir humanos por computadores. Um resultado muito importante nesse sentido, que utiliza a inteligência artificial, foi alcançado por um pesquisadores da Universidade de Warwick. 

Eles desenvolveram um novo algoritmo de aprendizado de máquina com o qual foi possível confirmar a existência de 50 novos planetas identificados em primeira instância pelo telescópio espacial Kepler. 

O novo algoritmo foi desenhado para ser capaz de distinguir automaticamente planetas reais de "falsos positivos", ou seja, daqueles sinais que sugerem a existência de um exoplaneta, mas que no final são outra coisa. Outros algoritmos já foram desenvolvidos, mas esse é o mais rápido de todos. 

As características do algoritmo e seus primeiros resultados foram publicados em Monthly Notices da Royal Astronomical Society. 

Os dados que o telescópio espacial Kepler, que também utiliza o método do “trânsito” para identificar possíveis planetas, envia para a Terra são enormes e o perigo de falsos positivos está sempre à espreita. 

O algoritmo foi "treinado" para distinguir um verdadeiro exoplaneta de um falso positivo, submetendo-o aos dados previamente analisados por astrônomos, que haviam distinguido os verdadeiros planetas dos erros. Assim que o algoritmo entendeu como fazer essa distinção, foi alimentado com material que nunca havia sido analisado e em pouquíssimo tempo os resultados chegaram.

Visto que no futuro os satélites para a busca de exoplanetas serão cada vez mais numerosos – entre os quais o europeu PLATO – algoritmos similares serão cada vez mais necessários para facilitar esse tipo de pesquisa que tem entre seus objetivos o de procurar um planeta que mostre sinais de vida orgânica.

Muitos
novos
mundos




O que há do lado de fora do universo em expansão?

Universo é mais simples do que se imagina, diz última teoria de Hawking

Telescópio confirma Einstein ao captar estrela próxima de buraco negro

Teoria de Darwin pode ajudar a desvendar mistérios dos cosmos

Comentários

Posts + acessados hoje

Antes de dizer em live 'aceitem a paz do Senhor', pastor xinga sua mulher

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Ateus tentam impedir gasto de R$ 80 mi em centro evangélico disfarçado de museu