Pular para o conteúdo principal

Entidade apoia escritor contra 'inquisição’ da Igreja Universal

A UBE (União Brasileira de Escritores) manifestou apoio ao escritor João Paulo Cuenca por ele estar sendo vítima de “inquisição” da Igreja Universal do Reino de Deus.

Há mais de 80 ações judiciais em 19 Estados apresentadas por pastores da Universal contra Cuenca por ele ter escrito no Twitter que “o brasileiro só será livre quando o último Bolsonaro for enforcado nas tripas do último pastor da Igreja Universal”.

Trata-se de uma referência a um texto de Jean Meslier, do século 18, segundo o qual “o homem só será livre quando o ultimo rei for enforcado nas tripas do último padre”.

Os pastores alegam que houve preconceito religioso e pedem ressarcimento por dano moral no valor de até R$ 20.000.

Mesmo que seja inocentado, Cuenca terá de se fazer representar em todos esses Estados, o que implica gastos com advogados.

A Universal negou que tenha orquestrado as ações e que seus pastores podem recorrer à Justiça por vontade própria, individualmente.

A UBE refuta esse argumento porque as ações “são praticamente iguais, movidas por pastores da mesma agremiação religiosa, em movimento coordenado único, configurando litigância de má-fé.”.

“Querer processar escritores por emitirem livremente opiniões é colocar-se a serviço do obscurantismo e impor um sistema que não cabe no jogo democrático”, disse a entidade em nota.

“O desejo de afogar um escritor em dívidas, impossibilitando o seu trabalho futuro ao tirar-lhe a paz, fica evidente.”

“Temos, ao nosso lado, o Artigo Quinto da Constituição Brasileira, que garante a liberdade de expressão como linha máxima da manutenção da Democracia.”

A nota é assinada pelo presidente da UBE, Ricardo Ramos Filho, com o endosso, entre outras personalidades, de Chico Buarque, Fernando Gabeira, Eric Nepomuceno, Luiz Fernando Emediato, Patricia Pillar, Luis Fernando Verissimo, Frei Betto, Fernando Morais e Lilia Schwarcz.

Em 2007, pastores da igreja de Edir Macedo moveram 111 ações contra a repórter Elvira Lobato e a Folha pela reportagem “"Universal chega aos 30 anos com império empresarial”.

Jornalista e jornal foram inocentados em todas as ações. Houve casos em que juízes condenaram autores das ações por litigância de má-fé.

Comentários

  1. Analisando friamente qual a vantagem de escrever algo assim ? O gado vai ficar do lado do escritor ? O gado vai deixar de pagar dízimo ? O gado vai deixar de ir a igreja e passar a ir a escola ? Apesar de ser a opinião dele ... Acho que eu se fosse escritor eu não perderia tempo escrevendo sobre coisas que não mudam nunca ... Gado é gado ...

    ResponderExcluir
  2. Aquela fala é mais do que legítima, pois está ligada aos OPRESSORES. Se fose contra alguém ateu, cético, ou mesmo em crenças da Umbanda, Wicca ou afins até faria sentido, pois nessas religiões, excluídas questões meramente pessoais, não há ideais de perseguições.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Covid-19 mata 16 pastores até agora só da Assembleia de Deus no Mato Grosso

Vídeo: Rasmussen afirma que o homem mais perigoso é aquele que não crê em Deus

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade