Pular para o conteúdo principal

Justiça prolonga prisão do Pastor Everaldo no caso de corrupção do Rio

com Agência Brasil   O STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu converter a prisão do presidente do PSC, Pastor Everaldo, de temporária para preventiva (que não tem prazo para acabar).

A decisão foi tomada ontem (4) pelo ministro Benedito Gonçalves, relator da Corte que acompanha a Operação Tris In Idem. A determinação atende pedido da Procuradoria-Geral da República.

A operação, de iniciativa do Ministério Público Federal, é um desdobramento da Operação Placebo, que investiga atos de corrupção em contratos públicos do governo do Rio de Janeiro, e que também resultou no afastamento do governador fluminense Wilson Witzel, por 180 dias.

O Pastor Everaldo foi preso na sexta-feira da semana passada (28) por causa de suposto envolvimento no esquema de corrupção. 

Foi ele quem batizou Jair Bolsonaro no rio Jordão, em Israel, sendo o responsável pela aproximação entre o então candidato a presidente e evangélicos.

A prisão temporária já havia sido prorrogada uma vez a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), que também solicitou a manutenção do encarceramento do Pastor.

Em nota enviada à imprensa, a direção do PSC afirma que o Pastor Everaldo “está sendo alvo de uma delação mentirosa.” 

O comunicado descreve que “o Pastor reafirma sua inocência, confiança na Justiça e fé em Deus.” 

Pastor Everaldo é suspeito de pedir repasse de propina 

Comentários

  1. Essa gente dessa profissão sempre se envolve com coisas erradas

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

No Brasil, mulher que não crê em Deus é submetida à opressão em dobro

Cobrado por aluguel de templo, Valdemiro diz não ter contrato social com a Igreja Mundial

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade