Pular para o conteúdo principal

Padre expulsa menino autista de cerimônia de batismo de sua irmã

Um padre da Igreja Christ the King em Hillsi, de Nova Jersey (EUA), expulsou aos berros um menino autista de 7 anos porque ele estava brincando em um altar durante o batismo de sua irmã, Sophia, no domingo (9).

Julia Vicidomini, a mãe, escreveu no Facebook: “Sim, ele [o menino] estava brincando com um brinquedo onde não deveria, mas a maneira como o padre o expulsou da igreja foi totalmente rude e desrespeitoso”.


A agressividade do padre — de nome Luke — fez com que os pais interrompessem a cerimônia.

Marc, o pai, disse ao padre, do lado de fora da igreja, que esperava que ele, por ser um sacerdote, fosse mais solidário com uma criança com necessidades especiais.

Em nota, a Arquidiocese de Newark pediu, mas o padre não.

O casal deixou de participar da missa da igreja, onde comparecia com frequência.

Família deixou
de frequentar
a igreja


Com informação das agências e foto de divulgação.


Padre nega 1ª comunhão a garoto autista; fiéis ficam indignados

Igreja Católica de Nova Jersey nega primeira comunhão a menino por ser autista

Padre da Índia aconselhará autistas aos quais ele chama de 'animais'

Adúlteros, gays e masturbadores têm filho s autistas, diz padre da Índia

Comentários

Emerson Santos disse…
Religiosos e suas hipocrisias .. o Gzius foi la no templo e deu um chute em todo mundo, quebrou um monte de coisas , deu o maior prejuízo pros pobres vendedores e suas mercadorias .. e ninguém até hoje ou nenhum padre criticou essas atitudes ... Agora um pobre menino com condições especiais brincando sem atrapalhar ninguém .. o sujeito vira macho ... e expulsa o garoto .. Eh como sempre se diz : "Religião não forma caráter .. Apenas obediência".

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m