Pular para o conteúdo principal

Caso da menina grávida foi usado como palanque político por Damares Alves

Maíra Mathias / Outras Palavras  O encontro da intolerância religiosa com a direita brasileira produziu um novo marco de violência: contra as crianças e adolescentes, mas também contra o Sistema Único de Saúde.

O uso político do caso da menina de dez anos que engravidou começou no governo federal, se espalhou nas redes bolsonaristas até que, enfim, se converteu em palanque para deputados estaduais e vereadores.

Tudo começa, como nota a reportagem do El País, com um vazamento — que, aliás, deveria ser investigado. No dia 8 de agosto, a criança deu entrada no Hospital Roberto Silvares, localizado na cidade onde mora, São Mateus (ES). Estuprada pelo marido de uma tia desde os seis anos, ela engravidou.

Mesmo a ultrapassada legislação brasileira lhe assegurava duplamente o direito ao aborto, por ter sido vítima de violência sexual e pelos riscos físicos e psicológicos de uma gestação indesejada na sua idade. 



Ao invés de ter acesso ao que lhe era de direito, a criança foi exposta. Seu caso foi parar nas redes sociais da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos.

Damares Alves começou uma campanha para pressionar a menina de dez anos a levar a gravidez forçada adiante. Prometeu ‘ajudá-la’. Não satisfeita, a ministra enviou na quinta-feira “emissários” à cidade capixaba.

E a Prefeitura de São Mateus levou, sem necessidade, o caso à Justiça. Os procedimentos de interrupção decorrentes de estupro devem ser oferecidos pelos serviços de saúde, sem necessidade de a vítima apresentar boletim de ocorrência ou autorização judicial.

No sábado, o Tribunal de Justiça do Espírito Santo autorizou o aborto. Mas a equipe do Programa de Atendimento às Vítimas de Violência Sexual do Hospital Universitário Cassiano Antonio Moraes, em Vitória, se recusou a realizar o procedimento. Justificaram que a idade gestacional não estaria amparada pela legislação que permite o procedimento no país. A menina estava com 22 semanas e quatro dias de gestação.

Os profissionais ignoraram o código penal e a norma técnica de Atenção Humanizada ao Abortamento, editada em 2005 pelo Ministério da Saúde — que, no entanto, foi lembrada pelo juiz Antônio Moreira Fernandes, da Vara da Infância e da Juventude —, e prevê que gestações avançadas podem ser interrompidas. A menina foi referenciada para um serviço em outro estado.

Mais uma vez, o bolsonarismo entrou em ação. Sara Giromini teve acesso ao processo, que deveria ser sigiloso, e publicou o nome da criança na internet. Nas redes sociais conservadoras, a viagem de avião a Recife foi divulgada.

No Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros da Universidade de Pernambuco, uma aglomeração se formou a partir do meio dia de ontem. Grupos evangélicos e católicos que se dizem ‘a favor da vida’, tentaram invadir o hospital, impediram a entrada de profissionais de saúde — que tiveram que ser escoltados por policiais —, vandalizaram o local e, finalmente, chamaram a menina de dez anos de “assassina”.

Tudo isso aconteceu com a liderança e apoio de vários parlamentares: os deputados estaduais Clarissa Tércio (PSC) e Joel da Harpa (PP) gravavam vídeos. Depois, se uniram a eles o deputado estadual e pastor da Assembleia de Deus Clayton Collins e a vereadora Michele Collins. O casal é do PP.

Depois de um intenso processo de revitimização (que, aliás, não se sabe quando vai acabar), a criança conseguiu ter acesso ao seu direito reprodutivo, apesar de ter visto vários outros serem desrespeitados.

Infelizmente, esse tipo tão particular de barbárie civilizatória que não poupa nada nem ninguém parece ter muitas chances de se multiplicar daqui pra frente, dado o contexto de escalada autoritária e conservadora no Brasil.

Esse texto foi publicado originalmente com o título Damares comanda violências no caso da menina estuprada.


Hospital de Recife interrompe gravidez em menina de 10 anos estuprada por tio

Justiça manda que rede social delete postagens de extremista sobre criança estuprada

Damares pressiona para que menina de 10 anos estuprada mantenha a gravidez

Damares Alves diz querer ficar mais 'uns cem anos' no governo

Comentários

Emerson Santos disse…
Engraçado disso ... Eh que ninguém fala do tio estuprador .. nem oferece dinheiro pra menina recomeçar a vida ... Eh so MUUUUUUUUuuuu do gado ... E como sabemos .. do gado .. o mugido é a unica coisa que não serve pra nada ...
Unknown disse…
Eu nem comento nada, isso aí não tem mais jeito esse País.
Anônimo disse…
Pensaram numa vida que foi perdida, mas e na vida da menina, pensaram? Pensaram nas consequências que essa gestação trouxe e ainda traria para ela? Pensaram em como seria para ela carregar dentro de si o fruto de um evento tão traumático como um estupro? Pensaram na saúde física e psicológica dela? Pensaram no trauma que foi e que ainda seria para ela se a gestação continuasse? Pensaram na possibilidade de que essa gestação poderia dar fim às vidas de ambos?

Cristãos hipócritas! Conservadores hipócritas! Será que não acham desumano que uma criança de 10 anos tenha de passar por tudo isso?

Posts + acessados hoje

Antes de dizer em live 'aceitem a paz do Senhor', pastor xinga sua mulher

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Ateus tentam impedir gasto de R$ 80 mi em centro evangélico disfarçado de museu