Pular para o conteúdo principal

Religião faz cidade ultraortodoxa torna-se a Capital do Coronavírus em Israel

O governo de Israel determinou o bloqueio de Bnei Brak — ninguém sai ou entra — porque se trata da cidade de mais alta taxa de contaminação do coronavírus, cerca de 40% da população de 200 mil pessoas.

Tida como a ‘A Capital do Coronavírus’ de Israel, Bnei Brak (ou Bene Beraq) fica próxima de Tel Aviv e é uma cidade de judeus ultraortodoxos.

Os seguidores dessa vertente do judaísmo vivem em uma bolha. Recebem poucas informações do “mundo exterior” porque, por motivos religiosos, estão “desligados” da internet, jornais, TV e rádio. 

COMUNIDADES RELIGIOSAS CONTINUAM
SE REUNIRAM PARA ORAÇÕES E CELEBRAÇÕES,
COMO CASAMENTOS

As famílias têm numerosos filhos e vivem em bairros lotados. 

É a décima cidade mais densamente povoada do mundo, o que é um fator de expansão do vírus.

Os rabinos têm resistido às recomendações do governo de manter o distanciamento social.


Eles continuam promovendo cultos em sinagogas por julgar que precisam cuidar da sobrevivência espiritual da cidade.

Pelos dados mais recentes, 34 pessoas morreram na cidade por causa do Covid-19.


Com informação da BBC News e de outras fontes.




O dia em que Bill Gates, defensor da ciência, previu a pandemia, em 2015

Bolsonaro afirma a pastores que a pandemia 'não é isso tudo que estão pintando'

'Internet Segura' adverte para onda de golpes na quarentena

Cidade de Nova York improvisa necrotério fora de hospital

Psicóloga diz como é possível manter o equilíbrio emocional em tempo de pandemia

13 teorias da conspiração sobre o coronavírus. Ou: a bolsa ou a vida?

Microbiologista critica a negação à ciência e alerta que o Covid-19 mudou o mundo




Comentários

Emerson Santos disse…
Esqueceram de avisar pra eles que o virus é ateu ... então como ele não acredita no delsinho deles... vai ter um ótimo campo de trabalho.
Heavyman disse…
Judeus tb subestimam o vírus!.

Posts + acessados hoje

Pastor de Manaus é acusado de ejacular ‘esperma de Deus’ em obreiras

Desmascarador de curandeiros e paranormais, James Randi morre aos 92 anos

Líder religiosa pagava quem trabalhava em sua empresa com promessas de salvação divina