Pular para o conteúdo principal

Número de óbitos por Covid-19 no Brasil chega a 1.532, com alta de 15% em 24 h

O número de mortes decorrentes do Covid-19 subiu para 1.532 no país. A nova totalização foi divulgada pelo Ministério da Saúde. O resultado marca um aumento de 15% em relação a ontem (13), quando foram registrados 1.328 óbitos.

São Paulo concentra o maior número de mortes (695), com mais da metade do total contabilizado na atualização. O estado é seguido por Rio de Janeiro (224), Pernambuco (115), Ceará (107) e Amazonas (90).

Também foram registradas mortes no Paraná (36), Maranhão (32), Minas Gerais (27), Santa Catarina (26), Bahia (22), Pará (19), Rio Grande do Norte (18), Rio Grande do Sul (18), Distrito Federal (17), Espírito Santo (17), Paraíba (16), Goiás (15), Piauí (8), Amapá (6), Sergipe (4), Mato Grosso do Sul (4), Alagoas (4), Mato Grosso (4), Acre (3), e Roraima (3) Rondônia (2). Tocantins é o único estado onde ainda não houve morte.


Já o número de casos somou 25.262, o que representa um crescimento de 8% em relação a ontem (13), quando o balanço do Ministério da Saúde registrou 23.430.

No comparativo com domingo (12), quando foram identificados 22.169 pessoas infectadas, o aumento significou 14%.

A taxa de letalidade do país está em 6,1%, maior do que a registrada ontem (13), quando o índice foi de 5,7%.

O Brasil bateu o recorte de mortes em 24h: 204. Ontem, haviam sido contabilizados 105 óbitos e, no domingo, 99. No perfil das vítimas, 59,9% eram homens e 40,1%, mulheres.

Do total, 73% tinham acima de 60 anos e 73% apresentavam algum fator de risco, como cardiopatia, pneumopatia, diabetes e doenças neurológicas.

Os casos confirmados nas últimas 24 horas totalizaram 1.832, mais do que o contabilizado ontem (1.261). O resultado não foi o maior, pois, na última semana, houve um acréscimo de 2.210 novos casos às estatísticas na quarta-feira (8).
Hospitalizações

As hospitalizações por Covid-19 totalizaram 4.926. No entanto, há 31.605 pessoas internadas com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em investigação, dependendo de testes para averiguar se são casos de infecção por novo coronavírus ou não.

No coeficiente de incidência (número de casos por 1 milhão de habitantes), Amazonas lidera (303), seguido por Amapá (281), Distrito Federal (209), Ceará (196), São Paulo (192) e Rio de Janeiro (186). Todas essas unidades da Federação estão mais de 50% acima da média nacional (111), e entram na categoria de “emergência”, de acordo com a escala do ministério.

As regiões com maior incidência foram identificadas em Fortaleza (608,2), São Paulo (523), Manaus e Entorno (436,7), Área Central, no Amapá, (369) e Rio Negro e Solimões (325,6).

As hospitalizações por Covid-19 totalizaram 6.043, acima das 4.926 contabilizadas no balanço do Ministério da Saúde divulgado ontem. No entanto, há 21.449 pessoas internadas com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em investigação e mais com SRAG não especificado (11.826).


Agência Brasil.




Vídeo: Quarentena, brigas políticas, remédios polêmicos. É a Gripe espanhola de 1918!

20 fatos que você precisa saber sobre entubação

Vídeo: prefeito que disse que cura da Covid-19 virá da igreja é internado

'Internet Segura' adverte para onda de golpes na quarentena

Cidade de Nova York improvisa necrotério fora de hospital

Psicóloga diz como é possível manter o equilíbrio emocional em tempo de pandemia

13 teorias da conspiração sobre o coronavírus. Ou: a bolsa ou a vida?

Microbiologista critica a negação à ciência e alerta que o Covid-19 mudou o mundo




Comentários

Emerson Santos disse…
Ninguem mais morre de bala perdida .. de DST ... de batida de carro ... de cachaça ... etc ... a culpa eh do corona ... Nossa ... pelo menos ele eh um virus democratico

Posts + acessados hoje

Pregação criacionista abre evento científico da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul

Robinho e Neymar se negam a ver crianças de lar espírita

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade