Pular para o conteúdo principal

Maioria reprova Bolsonaro por demitir Mandetta em meio à pandemia de Covid-19

Deutsche Welle   A maioria dos brasileiros reprovou a decisão do presidente Jair Bolsonaro de demitir o então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em meio à pandemia de Covid-19.
  
O dado é de uma pesquisa do instituto Datafolha divulgada nesta sexta-feira (17/04), um dia após a demissão. O instituto ouviu 1.606 pessoas por telefone em todos os estados do país. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

PRESIDENTE PROMOVEU UMA FRITURA
DE MANDETTA, QUE VINHA CONDUZIDO
BEM O MINISTÉRIO DA SAÚDE, NA
PERCEPÇÃO POPULAR


Segundo o levantamento, 64% dos brasileiros avaliam que Bolsonaro "agiu mal" ao remover o chefe da Saúde, enquanto 25% responderam que ele "agiu bem". Outros 11% não souberam responder.

Sobre a condução da crise pelo Ministério da Saúde sem Mandetta, 36% dos entrevistados acreditam que ela vai piorar, e 32% acham que vai melhorar. No lugar do ministro demitido, tomou posse nesta sexta-feira o médico oncologista Nelson Teich.

A pesquisa também avaliou o desempenho de Bolsonaro na gestão da pandemia, que oscilou positivamente desde o último levantamento do Datafolha, no início de abril, mas ainda dentro da margem de erro.

Agora, 36% consideram seu desempenho ótimo ou bom, 23%, regular, e 38% avaliam como ruim ou péssimo. 



Em comparação, no início do mês 33% aprovavam a gestão do presidente, 39% desaprovavam, e 25% a consideravam regular.

Segundo o Datafolha, o nível de reprovação de Bolsonaro é mais alto entre mulheres (41%), pessoas que recebem mais de dez salários mínimos (48%) e aqueles que possuem curso superior (46%).

Questionados se o presidente tem capacidade para continuar comandando o Brasil, 52% disseram que sim e 44%, que não. Nesse quesito, homens são os que mais aprovam o mandatário (58% responderam "sim"), bem como habitantes da região Sul (também 58%).

Bolsonaro sacramentou a demissão de Mandetta na quinta-feira, após semanas de um embate público protagonizado pelos dois, e dias depois de o então ministro ter dado uma entrevista contrariando a posição do presidente em relação à resposta para o combate da Covid-19.

Enquanto Bolsonaro minimiza a gravidade do coronavírus, defende o fim do isolamento social e divulga a cloroquina – ainda em testes – como droga eficaz contra a doença, Mandetta se manteve alinhado ao consenso médico, às recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e às práticas adotadas pela maioria dos países do mundo.

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.



Vídeo: Quarentena, brigas políticas, remédios polêmicos. É a Gripe espanhola de 1918!

20 fatos que você precisa saber sobre entubação

Vídeo: prefeito que disse que cura da Covid-19 virá da igreja é internado

'Internet Segura' adverte para onda de golpes na quarentena

Cidade de Nova York improvisa necrotério fora de hospital

Psicóloga diz como é possível manter o equilíbrio emocional em tempo de pandemia

13 teorias da conspiração sobre o coronavírus. Ou: a bolsa ou a vida?

Microbiologista critica a negação à ciência e alerta que o Covid-19 mudou o mundo




Comentários

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Romualdo Panceiro cria a Igreja das Nações para concorrer com a Universal

Pastor diz que máscara é ‘frescurite’; fiel idosa e marido morrem de Covid-19

Maitê recupera pensão de solteira apesar de união com empresário







EDITOR DESTE SITE
Paulo Lopes é jornalista.Trabalhou
no jornal abolicionista Diario Popular,
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e outras publicações.

Contato